Morte e Vida Severina

Se somos imensamente diferentes em nosso universo subjetivo, há uma coisa que inevitalmente nos faz muito iguais: a morte. Eu sabia que a minha nona estava doente, e que dois anos é um tempo longo demais para ver novamente quem tem 93 anos de muita luta e calejo. Ou não – ela sempre foi tão forte. Só não esperava enfrentar isso assim cedo.

Dai o que a gente faz? Eu tenho feito esta pergunta com tanta frequência nos últimos dias que cheguei a conclusão que a resposta mais certa é NADA. O ser humano é engraçado nesse sentido, a gente sempre quer encontrar respostas e soluções simples para um tudo, e no fim, a única coisa certa é aceitar que somos limitados e que algumas coisas simplesmente não podemos.

Talvez seja só um jeito de não sofrer – ao menos não muito. Talvez faça sentido que a minha oração preferida seja: “Senhor, dá-me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar o que posso e sabedoria para distinguir uma das outras.”.

A fé no divino e numa vida após a morte é apenas um instrumento de negação à nossa finitude? Quem sabe… Enfim, que eu saiba, ter fé nunca fez mal a ninguém…

— O meu nome é Severino,
não tenho outro de pia.
Como há muitos Severinos,
que é santo de romaria,
deram então de me chamar
Severino de Maria;
como há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
fiquei sendo o da Maria
do finado Zacarias.

2 comentários sobre “Morte e Vida Severina

  1. Bem, enquanto eu espero o post mais recente ter seus comentários liberados, escrevo aqui (espero não esquecer o que queria escrever lá).

    Há 2 semanas perdi uma amiga num assalto aqui em Recife. Foi uma merda de sensação. Fiquei pensando “e se fosse comigo? com minhas amigas? com meus pais?”. E foi com ela! Não podia ter sido, nem com ela, nem com ninguém. Dá raiva, sabe? Porque a ordem natural da vida é os pais morrerem antes dos filhos…

    Meu avô vai fazer 91 e minha avó 85, esse ano (avós paternos, os maternos já se foram tb). É uma pena que a sua nona tenha partido, sempre é uma pena. Mas depois de 93 anos, imagino que ela tenha curtido a vida plenamente, com todas as suas dores e prazeres. E é bom que ela tenha te visto feliz, dando esse passo tão grande na vida, sendo amada e descobrindo, literalmente, o mundo!

    Bjos :*

    Curtir

  2. Não é que eu goste de velórios, e toda essa coisa que envolve a morte, mas é importante. Nessas horas a gente sempre pára e questiona o mundo, as relações, nossas escolhas…
    Eu tenho certeza de que a minha mormor viveu intensamente, eu apenas sinto por ela ter sofrido tanto no fim!

    Curtir

Agora vamos prosear!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s