SFI – Svenska för Invandrare

Essa semana eu fui para a escola: finalmente comecei o temido e esperado SFI. É fácil, e não é. A primeira impressão que tenho é que será um pena que terei aula apenas por três semanas antes das férias de verão. O Joel terminou a universidade (para este semestre) e eu to começando o curso – até 16 de junho apenas.

A coisa mais engraçada é que o nome da minha professora é… Maria. Eu descobri que na Suécia Maria é o nome mais comum entre mulheres, como no Brasil. Claro que Maria é um nome maravilhoso, por causa disso ele é top em vários países do mundo!

A minha turma tem apenas uma sueca (que é claro é a professora); tem húngaros; um bósnio; um letão; um italiano (seminarista); um croata; um cara do Kosovo (como se chama quem nasce lá??); iraquianos; iranianos; um somáli; persas; e, (acho que foi todo mundo) uma colombiana. Eu queria falar com ela mas a guria não me dá moral…

Os húngaros são todos homens e já formaram o seu clube do bolinha. Somos apenas cinco mulheres na turma e eu converso bastante com uma iraquiana. Ela chama Ahlam, é super miudinha (quem me conhece sabe que eu sou uma versão compacta, mas ela dá no meu ombro!), extremamente tagarela e muito simpática. Ela provavelmente é islâmica mas não usa aquele véu ou burca – o que me deixa confortável; e se mudou para a Suécia para ter um bebê – o que me faz pensar que ela é uma refugiada. Quando na minha vida eu imaginaria estudar sueco com uma iraquiana? A vida é uma caixinha de surpresas, como já sabiam os Melhores do Mundo.

O que eu mais gosto é que a Maria é divertida. Eu imaginei que teria um professor meio sisudo nos moldes do Professor Snape de Harry Potter (abram o livro na página …); muito fechado e um tanto quanto amedrontador. Ela é amável e engraçada.

Eu tenho tido um pouco de repetição nestes primeiros dias. Estou revendo todas as coisas que estudei sozinha. Bom porque eu recebo dicas valiosas… como treinar as vogais do sueco, e sua pronúncia longa ou curta. Essa é a principal causa porque o sueco parece cantado.

Então, para quem está no mesmo barco, eu tenho arquivos de áudio com o alfabeto sueco (que eu faço muito gosto em mandar por e-mail uma vez que porque eu não posso dispor o download aqui). Ou, apenas vou escrever como parece para mim, como eu diria que é em português (se quiser tente treinar): para o i, use a boca aberta, para y, faça biquinho. O e é e mesmo. Diga a como ó; o como u, u como iu. E por fim, å é ô, ä é é e ö é complicado. Mas sabe aquele barulho que a gente faz quando quer dizer que uma coisa é nojenta e vai vomitar? Tente fazer o argh! com a boca como um o acentuando um é.

Förstår du? Inte jag.

Anúncios