Pequenas Grandes Coisas da Minha Vida Sueca #08

Hoje entrei no meu apartamento e pensei quase que ao mesmo tempo três coisas:

1. Caralhoooo que massa!
2. A Gio ia ter um achaque nessa cozinha…* 
3. Qual foi a porra da empresa que fez a limpeza aqui?
 

Uma das partes da vida de Marinete sueca é fazer o que o pessoal chama de storstädning (limpeza grande) ou flyttstädning (limpeza de mudança), porque os suecos assim assim não são de fazer faxina, mas quando mudam devem entregar o apartamento limpo. Daí que pelo menos na empresa em que eu trabalho, limpo significa limpo.

É uma maravilha fazer storstädning e um saco também. É uma maravilha porque quando a gente limpa casa de família, é muito difícil que a casa não tenha crianças ou um cachorro peludo. Acho que posso contar nos dedos da mão direita os clientes que se encaixam nesse perfil (sem cachorro e sem crianças). Imagina fazer limpeza na casa de pessoas que tem criança mas que não tem o hábito de limpar… Outra coisa é que sueco adora ter coisinhas em cima de móveis, prateleiras, estantes, penteadeiras, peitoris de janela  ou qualquer coisa que sirva para dispor coisinhas (entenda-se por isso bibelôs, conchas, estrelas do mar, barcos em miniatura,  milhões de fotografias e flores… e brinquedos, e chaves, e papéis, e revistas). Tem que tirar tudo, limpar e organizar de volta. Mas se a casa está vazia…

É um saco fazer storstädning  porque a minha patroa é perfeccionista e tem o azar de pegar cliente chato. Uma vez tivemos que voltar na casa de uma mulher para desgrudar um pedaço de 3cm de fita durex da parede, ou ela não ia pagar a limpaza… Esse tipo de mudança exige que você faça a casa praticamente nova, e daí é um nojo abrir armários e limpar geladeira ou freezer de gente que nunca fez isso por todos os cinco anos – quando não a vida toda – que morou lá. Além disso, tem que limpar rodopé, tomadas, e tirar manchas da parede – quando possível (jamais jogue água em paredes e pisos na Suécia).

A cozinha – com exceção do fogão – e os armários estavam limpos. Mas o chão, rodapés, tomadas, o fogão e os azulejos do banheiro estavam lambuzados. Lembrei na hora da mulher e da fita, grudada no lado de fora da porta que dava para a sacada, e fiquei pensando em que P*%#$@&! a gente se mete às vezes. Tudo bem, tudo tem remédio, a única coisa  com o que eu realmente não tava feliz é que o apartamento ainda tinha cheiro de cigarro.

Digo ainda porque quando a gente foi ver o apê tinha cheiro de cigarro, e a gente questionou se eles iriam resolver isso. A resposta foi um ainda não fizeram o storstädning, depois vai estar tranquilo. Ontem peguei a chave do apê mas não fui até lá porque fui nadar com a Frida e a Liv. Quando voltei o Joel falou da questão do cheiro de cigarro e eu fiquei puta da cara, fui buscar na internet uma solução e bolei meu plano mirabolante.

(Abre parênteses para falar do meu programa com Frida e Liv. Fazia uma cara que as duas me convidavam para nadar, ou escalar, ou para aula de dança – elas são realmente ativas; e eu sempre trabalhando ou estudando ou o quê. Ontem deu certo e fui. A estrutura é fantástica, tem piscina de 25m, 50m, infantil, para prática de hidroginástica, aulas de natação para crianças, sauna e banheira de hidromassagem. E claro que tudo é aquecido. Detalhe: eu sei não afundar na água, o que na certa é uma diferença sutil com relação a quem sabe nadar. Nadei 150 m e tava morta, quase com cãibras, e elas numa boa, nem tinham começado a “suar”. Sueco faz aula de natação na escola, mas nem todo mundo tem o costume de praticar sempre. Por fim eu fui para a banheira de hidromassagem até elas cansarem, e me senti uma diva. Foi muito legal, eu quero mesmo aprender a nadar – direito – e poder acompanhar elas de verdade um dia. Fecha parênteses).

Eu tinha mesmo que ir ao mercado e comprar produtos de limpeza e coisas de limpeza para a minha casa, aproveitei o embalo e comprei um vinagre. Eu li num site tipo “dicas da vovó: soluções inteligentes de limpeza” que um pano úmido de vinagre pode ser passado nas paredes de uma casa com cheiro de cigarro pois ajuda a tirar o odor. É claro que tem que passar um pano limpo em seguida, ou com um sabão neutro – o que é muito fácil, pois eu acho a Suécia campeã em produtos de limpeza com cheiro de nada, o povo aqui não é fã de odores fortes – e foi isso que fiz. Demorou só uma hora e meia e tem um cheiro meio esquisito na casa (vinagre) mas foi melhor do que eu esperava – cheiro de cigarro bem fraquinho só na cozinha. Na verdade, eu o Joel tava meio com medo disso porque as paredes tem papel de parede, mas com o pano apenas úmido foi tranquilo.

A mudança está programada para amanhã, daí aproveitei também para dar uma caprichada nas tomadas, limpar um pouco melhor o chão e os rodopés, assim como deixar o banheiro mais bonitinho e cheiroso. To tão empolgada que quase to com vontade de deslambuzar aquele fogão! (Minha mãe sempre dizia: vassoura nova varre que é uma beleza!). Agora é torcer para que não chova tudo o que espera a meteorologia – eu até ia ficar feliz com uns graus negativos se isso significar um dia sem chuva.

Quem me viu e quem me vê, não é Lu?

*A minha irmã mais velha tem um ataque de nervos sempre que a cozinha está cheia de pessoas porque, ela diz, a cozinha é muito pequena. Tá bom, ataque de nervos talvez seja exagero, mas que ela fica stressada… eu gosto disso pra caramba porque nunca tinha que cozinhar ou ajudar com o almoço na casa dela! Gio, minha cozinha é bem menor que a sua!!!
Anúncios

5 comentários sobre “Pequenas Grandes Coisas da Minha Vida Sueca #08

  1. Amo tudo que leio sobre a Suécia.

    Tem detalhes que adoro saber, sobre
    hábitos e costumes desse povo interessante.

    Obrigada, não deixe de me enviar sempre
    seus textos. Estou curtindo à bessa.

    Quem sabe um dia te mando meu endereço
    quando for passar uma temporada pelaí? rs

    Bjs

  2. Olá, Maria!

    Venho lendo seu blog há alguns dias. Gosto do seu estilo!
    Quero te parabenizar pela sua postura sensata, ponderada e sensível em muitos textos! É raro conhecer um blog de brasileiro que está fora do Brasil e contar a realidade do lugar. Gosto, sobretudo, do fato de você não ter ficado deslumbrada com a Suécia. Fiquei feliz por sua postura de não colocar o Brasil sempre embaixo de tudo, como observo que nossos expatriados fazem: o Brasil passa a ser o pior país do mundo, na visão da maioria. Viver na Europa, ou EUA, é o supra sumo, o must da vida de tais brasileiros. É como se o estrangeiro fossem revestido de uma personalidade especial, sei lá. Esquecem que viemos de uma história de colonização exploratória, que há a cultura da corrupção na maioria das famílias brasileiras e que, acima de tudo, somos o novo mundo e, claro, ainda há muito para se fazer, para arrumar a casa por aqui. Esquecem que tivemos duas ditaduras, que os sistema escravagista perdurou mais tempo que muitos outros países, que a mulher começou a votar muito anos depois da instauração do sistema republicano, que a maior parte dos direitos sociais começou a ser implantado no Brasil, após 21 anos de ditadura. Esquecem que a Europa é o velho mundo, que nos EUA foi um outro tipo de colonização, o que diferencia e muito o desenvolvimento do lugar. E, acima de tudo, esquecem que somos um país muito grande, o que dificulta uma maior fiscalização do dinheiro público.
    Eu morei há muitos anos na Holanda. Fui muito jovem fazer faculdade lá. Depois trabalhei em alguns países da Europa como arquiteta ( minha formação aqui no Brasil). Mas não trabalhei como historiadora de arte na Europa ( minha segunda faculdade, lá na Holanda). Assim, sei exatamente como é a Europa, mesmo que tenha mudado um pouco com a revolução da tecnologia, a robótica tirando emprego dos trabalhadores, o consumismo tenha aumentado em todo o mundo pós quedas do muro de Berlim e do comunismo. Eu retornei nos anos 90 ao Brasil. Fui sabendo que queria viver apenas uma fase. Tenho cidadania europeia. Mas eu sou, antes de tudo, brasileira. Eu amo muito o nosso país. Tento fazer minha parte para melhorá-lo. Como neta de italiano, penso que sempre vivi os dois lados da moeda. O Brasil foi o país que mais recebeu imigrante durante a segunda guerra mundial. Sim, somos um país com muitas qualidades.
    O mais interessante de viver uma experiência como esta, é a mudança de visão de mundo. Sair do lugar comum, seja através de leituras, seja viver in loco culturas diferentes é, antes de tudo, conhecer a si mesmo, ver-nos em outro ângulo. O mais proveitoso disso tudo, é saber mesclar o lado positivo das duas culturas, entende? Parece-me que você tem feito isso, mesmo que inconsciente.
    Claro que mudei em muitos aspectos, mas eu já tinha uma cabeça, uma percepção de mundo diferente quando eu fui estudar em Amsterdam. Penso que este diferencial delineou meus passos em cada momento, e soube viver cada um deles.
    Desejo felicidades ao casal e sonhos realizados.
    Sucesso na estrada,
    R.!

  3. Oi para você(s) e bem vinda(s) ao blog!

    Então moças, obrigada pelo estímulo e enfim, acho que a vida fica mais bonita se a gente pensa no “não tenho tudo que quero, mas amo tudo que tenho”. Meu pai é pedreiro e minha mãe é do lar mas costura para fora, a gente teve uma vida sem luxo mas muito boa. Mas nunca passei fome, stress por causa de ônibus (só depois que mudei para a Suécia), tive medo de bandido, essas coisas. Talvez se eu tivesse sofrido a minha vida toda eu não gostasse do Brasil, mas eu realmente não tenho do que reclamar. Eu fiz faculdade, consegui um emprego legal, e claro que sempre “falta” alguma coisa, a gente sempre pensa no “se eu tivesse…”,mas isso é coisa da vida, do ser humano. Do contrário, viveríamos em aldeias e eu estaria (talvez) escrevendo em uma pedra.

    Sucesso para ti também!

    Beijos

  4. Amiga !!! to impressionada com você … nossa nova Maria ..
    Fazendo faxina, limpando tomadas ??? issso tudo é o anel que esta fazendo ele tem super poderes srsrsrsrs
    Amiga tenho muita saudades de vc viuuu…
    bjãoo

Agora vamos prosear!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s