Pequenas Grandes Coisas da Minha Vida Sueca #09

Foi uma semana cheia e eu tava sem internet até ontem. O Joel acorda as 4h30 quando ele vai para a Volvo e eu aproveitei o embalo e pulei da cama também. Acho que tomei demais ontem na casa da Zorica, experimentei um destilado sérbio – quando na minha vida eu ia imaginar uma coisa dessas?; mas experimentei vários martelinhos de… to meio sem sono, mas sem ressaca. Bom que posso atualizar as notícias do blog, mas não tenho muito tempo e vai ficar assim assim esse post.

A mudança foi bem puxada, ainda to meio cansada. Choveu e choveu até granizo (que na Suécia é bem miudinho como grãos de pipoca, sempre) como esperado pela metereologia, tudo ficou mais ou menos úmido e isso é um saco. O cheiro de cigarro não saiu da cozinha, mas a casa não tem mais cheiro de vinagre. Ficou lindo e tão gostoso o apartamento, eu to feliz demais da conta, só me falta conseguir um emprego integral para ter grana extra para comprar coisinhas para dar aquele toque na casa – como cortinas, por exemplo. Bom que tem muito second hand  por aqui, o que é ótimo para conseguir por preço de banana alguns itens que são essenciais e que a gente não tem ainda, como aquelas prateleiras baixas para deixar o calçado ao lado da porta – ninguém entra de sapatos nas casas suecas.

Na semana passada eu fui patinar no gelo com o Joel. Foi muito legal, e minha desenvoltura com os patins é… decepcionante. Não caí, mas não aprendi a parar, e minha graciosidade é comparável à de pinguins. O gelo é muito escorregadio e eu não sei se eu não consegui amarrar os patins direito ou é apenas o medo mesmo, mas eles parecem muito soltos no tornozelo. O Joel fez uns vídeos para mostrar para a família dele que não ficaram 100% mas são engraçados – eu ri demais da conta – além de que é absolutamente ruim e ridícula a minha edição, mas mesmo assim eu postei no You Tube só para poder compartilhar aqui no blog.

Por fim, nevou na segunda a noite. Eu estava curiosa, mas não ansiosa por isso. Quando olhei pela janela pensei nos tantos filmes que já vi e em repórteres de televisão quando se fala da Europa ou EUA no Brasil, em como é engraçado ter Natal com frio. Não fiquei parada olhando e admirando os flocos caindo, apesar de ser muito lindo eu tava bem cansada e isso foi perto da meia noite enfim, estava na casa do Zé porque às vezes eu “durmo no trabalho”.

Pela manhã tudo estava branco e é verdade afinal que quando neva tudo fica mais bonito e não parece tão escuro. Meu turno terminou às 10h e quando sai tinha um céu azul muito lindo e sol. Meu primeiro pensamento foi: agora sei como se sente uma cerveja. Apesar de ser fantástico aos olhos, é terrível o vento gelado na cara. Minha super jaqueta é mesmo super, e eu comprei as botas de inverno, tudo estava cem por cento (luvas e touca), menos meu nariz. Achei que ia perder ele, tão gelado ficou por causa de 5 minutos enquanto eu esperava o ônibus. Minha mãe sempre dizia que é muito mais frio depois que o sol derrete a geada, e penso que seja o mesmo quando neva…

Neve descongelando é bem estranho. Tudo vira gelo, e o que não é mais nem gelo, nem neve, vira uma lama… Acumulou pouca neve, acho que coisa de uns 5 cm apenas, mas as crianças fizeram a festa jogando neve uns nos outros e tentando montar uns bonecos. Não tive a mínima vontade de pegar neve na mão ou o quê, fiquei meio decepcionada comigo mesma dessa falta de tesão pelo até então desconhecido, mas nem todo mundo é igual. Lembro que ano passado quando voltei para o Brasil escutei uma moça e um rapaz falando do primeiro ano na Europa deles, e que a moça falou alguma coisa como: Ah, quando nevou eu fiquei louca! Foi tão lindo, eu corri para fora e até comi neve!  E o rapaz falou uma coisa como: Eu também comi neve! Mas você sabe que não pode comer neve amarela, porque isso significa que um cachorro ou alguém fez xixi…

Comer neve? Depois a caipira sou eu…


Anúncios