Göteborg News #04

Em agosto pude assistir a uma chuva de estrelas cadentes: eu e Joel esperamos até as 00h de um domingo para nos deitar no chão próximo a um lago e contemplar um espetáculo de luz nos céus suecos. Claro que não era nada do tipo “fogos de artifícios”, com luz pipocando lá e cá por todo o céu – ainda mais porque o céu sueco no verão é bastante claro – mas em questão de uma hora eu pude contar cerca de 14 estrelas cadentes. Nunca havia visto tantas assim na minha vida!

Fonte: yonnas.se

Agora com um pouco de sorte poderei assistir a aurora boreal sem ter de viajar nem um pouquinho mais para o norte do mundo: astrônomos afirmam que neste ano poderá ser possível presenciar esse espetacular fenômeno mais ao sul do círculo polar ártico devido ao grande número de explosões solares.

Mas que conversa é essa? Estrelas cadentes? Aurora boreal? Penso que a maioria dos mortais que viveram em uma cidade da qual ainda é possível ver o céu tiveram o prazer de ver uma estrela cadente, fechar os olhos e fazer um pedido. Tudo bem que isso é crendice, mas e por que não? Eu não fechei os olhos para fazer pedidos naquela noite de agosto por puro medo de perder a próxima estrelinha que riscaria o céu…

Já a aurora boreal é uma coisa ainda mais exclusiva: acontece somente próxima ao círculo polar ártico, sendo que o fenômeno também pode ser visto próximo ao círculo polar antártico (mas daí recebe o nome de aurora austral). O fenômeno em si tem o nome de aurora polar ou norrsken (luzes do norte – numa tradução livre) em sueco; e é provocado (segundo o Wikipédia – artigo aqui) pelo impacto do vento solar e de partículas espaciais com a atmosfera da Terra. O fato de esse fenômeno se dar apenas nos pólos é que as tais partículas são atraída pelo campo magnético da Terra.

Na mitologia nórdica acreditava-se que a aurora boreal era um facho de luz derramado pela armadura das Valquírias:

As Valquírias são virgens da guerra, montadas em cavalos e armadas com elmos e lanças. /…/ Quando elas cavalgam adiante em sua mensagem, suas armaduras derramam uma luz estranha que bruxuleia, que acende por cima dos céus do norte, fazendo o que os homens chamam “aurora borealis”, ou “Luzes do Norte”

by Thomas Bulfinch

Quem me contou da novidade foi a minha futura sogra, e achei mais do que lindo o relato que ela me fez de quando assistiu o espetáculo das luzes “dançando no céu”. A aurora polar pode se apresentar de diversas formas e cores, e acho que assim como o arco íris pode apresentar as cores mais ou menos fortes dependendo da ocasião. Algumas pessoas veem as cores serpenteando o céu, outras veem como que uma cortina em movimento…

Eu que sempre tive vontade de ir para o norte sueco apenas para poder contemplar a aurora boreal fiquei super entusiasmada em pensar que talvez tenha a oportunidade de presenciar o espetáculo por aqui mesmo!

O melhor de tudo é que o fenômeno não está necessariamente relacionado a uma aurora… ou seja, as luzes do norte não aparecem apenas quando o sol está para nascer (ainda mais porque dentro do círculo polar o sol pode demorar seis meses para aparecer de novo!). Infelizmente não há garantia de quando e como o fenômeno vai acontecer, mas eu decidi ficar alerta e até o final de outubro ficar de olho no céu.

Quem sabe eu não tenha uma surpresa?

Anúncios