No meio da madrugada…

Vamos mudar o mundo?

Não dou as caras no blog por dias e começo o post dessa forma esquisita. Aposto que tem gente que veio parar aqui pensando em mudar de país e não o mundo; e lá vem a caipira fazendo uma pergunta dessas… é que resolvi blogar no meio da madrugada.

E claro que pode dar bosta porque blogar no meio da madrugada é esquisito, ainda mais entre 3h e 5h da matina. Dizem que esse período é conhecido como “a hora do lobo” e não se recomenda nem que se dirija durante essa hora da madruga porque o cérebro não funciona muito bem. Nem deve se ficar doente nessa hora – ou ter um ataque cardíaco – porque é dentro desse período que se dão os maiores números de erros médicos. Portanto, não deve ser uma boa ideia blogar mas to vendo que vou ter que aderir ao esquema se quiser continuar atualizando esse espaço com alguma frequência.

Essa semana até pensei seriamente em fechar as portas do blog. To muito enrolada e não tenho tempo para escrever. E preguiça… pá, anda me batendo uma preguiça fenomenal de internet. Ainda entro no facebook e acho que é isso que me faz ficar ainda mais irritada. Facebook é uma merda e tem dias que eu realmente não sei porquê eu ainda uso o serviço. Serviço aliás que ajuda o governo dos EUA a saber de um tudo sobre todos – fofocas a parte. Eu ainda não tenho certeza que a informação é verdadeira mas essa semana me disseram que o governo dos EUA tem acesso irrestrito a todos os dados disponíveis no facebook. Não seria estranho afinal, eu não sei quem eu ouvi falando que o facebook é o sonho de consumo de qualquer agência de espionagem – sejam elas reais ou não – pois o indivíduo atualiza sozinho uma série de informações pertinentes ao seu respeito. É um banco de dados mundial.

(Obs. Por favor não copie e cole isso no facebook criando uma daquelas correntes idiotas do tipo “tá confirmado: fulana disse que o facebook isso isso aquilo aquilo etc e tal; copie e cole no seu mural se quiser impedir o fim do mundo”. Eu agradeço.)

E depois é tanta gente compartilhando merda no facebook. No twitter. Ou em alguns blogs por aí. Cara, eu sinto falta do tempo em que as maiores besteiras que a gente via na internet eram as declarações de fãs alucinadas do Fiuk ou do Justin Bieber que afirmavam que todo mundo que não amava os tais ídolos estavam com inveja. Ou que todo mundo que não amava a saga Crepúsculo não sabia o que era bom na vida. Eu não sei o que é bom na vida e morro de inveja do Justin Bieber. Bom, agora não tanto depois que ele parou de usar a franja. Ah, aquele cabelo! Eu queria que meu cabelo balançasse com aquela leveza…

Internet me dá nojo quando eu vejo tanta gente falando mal do Bolsa Família (sem conhecimento de causa – apenas reproduzindo) ou do Brasil e usando a rede para disseminar ódio. Ódio ao nordeste. Ódio aos pobres. Às mulheres. Aos negros. Aos estrangeiros. Tem tanta gente sem noção que me manda comentário no blog dizendo que a Europa era linda antes dos estrangeiros chegarem aqui e destruírem tudo… hallllååååå! Eu sou estrangeira! E to na Europa! Ah mas você sabe, eu to falando dos muçulmanos e todo aquele povo que vem da África e do mundo Árabe e não quer saber de nada com nada… como se todo mundo que vem de lá estivesse aqui por livre e espontânea vontade!

Mas é claro que a gente tem que continuar falando mal dos estrangeiros aqui na Europa, e dos pobres que votam no PT no Brasil. É claro que a culpa é do povo “ingnorante”. Entrei numa discussão (eu sou muito besta) no face e a pessoa teve a incoerência de me retrucar que a gente não pode esperar que uma pessoa que more no sertão do nordeste tenha a mesma “clareza” que um gerente de uma grande empresa na hora de votar. Na hora morri de raiva mas me acalmei e tive que concordar, né?(Só para avisar, desse ponto em diante serei irônica) Porque o cara pobre vai trocar o voto por uma cabra, um saco de farinha ou uma cesta básica (ou talvez um calça jeans de R$300 para a filha), mas o gerente da empresa vai votar para quem tiver as melhores propostas para a indústria. E as melhores propostas para a indústria podem incluir a perda dos direitos trabalhistas, mas não faz mal, ao fim, que o gerente da empresa que vota com clareza esteja votando em algo que vai beneficiar somente o rabo dele. Afinal, se um gerente de uma grande empresa está fazendo lobby para conseguir o que é bom para ele isso não é vender o voto, isso é diferente. Mas o coitado que troca o voto por uma cesta básica não tá fazendo a mesma coisa porque ele é um ignorante. Esses coitados deveriam estudar, pra se tornarem gerentes de uma grande empresa e daí trocarem o voto por algo maior. Tipo, um contrato para construir uma hidrelétrica na Amazônia.

E isso dá mesmo raiva não dá? Pense aonde é que o Brasil poderia chegar se só os entendidos votassem. Tudo ficaria perfeito para a classe rica. Eles ficariam ainda mais ricos, e os pobres iriam perdendo direito atrás de direito, sem poder reclamar. (Tipo, se alguém classe média alta fosse na TV reclamar que a coisa tá tão feia que não pode comprar uma calça jeans de R$ 300 para a filha seria normal. Aceitável. “Terrível”, alguns diriam, ou “que pena dela”. Agora um pobre – e beneficiário do Bolsa Família ainda! – reclamar que não tem R$300 para comprar a calça para a filha vira uma discussão enorme na rede. Aonde já se viu? Pobre querendo direitos! E de comprar coisas! E de reclamar!). Afinal, só existem pessoas muito ricas num mundo em que outras pessoas estão muito pobres. Esperto é aquele que faz o possível para que o número de pessoas bem ricas diminua bastante, assim os bem ricos vão ser muito ricos. E os pobres serão muitos, e muito pobres. A Europa invadiu toda a América Latina e a África e destruiu os povos que moravam lá, fez todo mundo pobre. Agora esses mesmos pobres invadem a Europa e coitados dos Europeus, que recebem os estrangeiros aqui de braços abertos e se dão mal.

Eu to tão cansada da internet por causa de toda essa merda que eu vejo, e de povo que dá like para postagens de ódio. Mas eu ainda quero muito escrever o que eu penso (sei que muito poucos irão se importar, mas é assim com qualquer discussão mais ou menos importante) e o que eu tenho certeza é que não importa aonde no mundo, o que está fazendo tudo ruir é o problema da integração. A Europa não está integrando os estrangeiros (se estivesse mesmo, porque eu não tenho emprego, apesar de ter meu diploma reconhecido e sueco suficiente?); os brasileiros não estão integrados, os chineses não estão integrados, os africanos não estão integrados. Brasileiro fica reclamando de pobre ainda quando é pobre. E isso eu não to citando para falar mal do Brasil não, eu to querendo sublinhar porque é um dos Xs da questão: se todo pobre se envolvesse em torno da luta contra a pobreza, se toda mulher/homossexual/negro/pessoa com deficiência se unisse pela luta pelo direito das mulheres/homossexuais/negros/pessoas com deficiência – e nem precisa ter um comitê separado não, poderia ser um grupo só em favor dos direitos das minorias – se a população se unisse para acabar com a corrupção; os africanos se unissem apesar das diferentes tribos, as religiões se unissem apesar de diferentes deuses… tanto faz aonde fosse no mundo; teríamos um resultado surpreendente.

E no meio da madrugada eu entro na internet e fico lendo notícias sobre a mortalidade materna e infantil em Serra Leoa, sobre a discrepância do Estatuto do Nascituro, sobre grandes empresas que pagam nada pela hora de trabalho na China e fico questionando porque as minorias (no poder) não viram o jogo? Nós somos a maioria. O mundo tem mais pobres do que ricos e mais mulheres do que homens e mais chineses do que… ok, os chineses já estão dominando o mundo. Mas eu me pego pensando o que seria necessário para dar início a um revolução (to soando marxista agora) das “minorias maiores” contra as “maiorias menores”…

Ideias?