No meio da madrugada…

Vamos mudar o mundo?

Não dou as caras no blog por dias e começo o post dessa forma esquisita. Aposto que tem gente que veio parar aqui pensando em mudar de país e não o mundo; e lá vem a caipira fazendo uma pergunta dessas… é que resolvi blogar no meio da madrugada.

E claro que pode dar bosta porque blogar no meio da madrugada é esquisito, ainda mais entre 3h e 5h da matina. Dizem que esse período é conhecido como “a hora do lobo” e não se recomenda nem que se dirija durante essa hora da madruga porque o cérebro não funciona muito bem. Nem deve se ficar doente nessa hora – ou ter um ataque cardíaco – porque é dentro desse período que se dão os maiores números de erros médicos. Portanto, não deve ser uma boa ideia blogar mas to vendo que vou ter que aderir ao esquema se quiser continuar atualizando esse espaço com alguma frequência.

Essa semana até pensei seriamente em fechar as portas do blog. To muito enrolada e não tenho tempo para escrever. E preguiça… pá, anda me batendo uma preguiça fenomenal de internet. Ainda entro no facebook e acho que é isso que me faz ficar ainda mais irritada. Facebook é uma merda e tem dias que eu realmente não sei porquê eu ainda uso o serviço. Serviço aliás que ajuda o governo dos EUA a saber de um tudo sobre todos – fofocas a parte. Eu ainda não tenho certeza que a informação é verdadeira mas essa semana me disseram que o governo dos EUA tem acesso irrestrito a todos os dados disponíveis no facebook. Não seria estranho afinal, eu não sei quem eu ouvi falando que o facebook é o sonho de consumo de qualquer agência de espionagem – sejam elas reais ou não – pois o indivíduo atualiza sozinho uma série de informações pertinentes ao seu respeito. É um banco de dados mundial.

(Obs. Por favor não copie e cole isso no facebook criando uma daquelas correntes idiotas do tipo “tá confirmado: fulana disse que o facebook isso isso aquilo aquilo etc e tal; copie e cole no seu mural se quiser impedir o fim do mundo”. Eu agradeço.)

E depois é tanta gente compartilhando merda no facebook. No twitter. Ou em alguns blogs por aí. Cara, eu sinto falta do tempo em que as maiores besteiras que a gente via na internet eram as declarações de fãs alucinadas do Fiuk ou do Justin Bieber que afirmavam que todo mundo que não amava os tais ídolos estavam com inveja. Ou que todo mundo que não amava a saga Crepúsculo não sabia o que era bom na vida. Eu não sei o que é bom na vida e morro de inveja do Justin Bieber. Bom, agora não tanto depois que ele parou de usar a franja. Ah, aquele cabelo! Eu queria que meu cabelo balançasse com aquela leveza…

Internet me dá nojo quando eu vejo tanta gente falando mal do Bolsa Família (sem conhecimento de causa – apenas reproduzindo) ou do Brasil e usando a rede para disseminar ódio. Ódio ao nordeste. Ódio aos pobres. Às mulheres. Aos negros. Aos estrangeiros. Tem tanta gente sem noção que me manda comentário no blog dizendo que a Europa era linda antes dos estrangeiros chegarem aqui e destruírem tudo… hallllååååå! Eu sou estrangeira! E to na Europa! Ah mas você sabe, eu to falando dos muçulmanos e todo aquele povo que vem da África e do mundo Árabe e não quer saber de nada com nada… como se todo mundo que vem de lá estivesse aqui por livre e espontânea vontade!

Mas é claro que a gente tem que continuar falando mal dos estrangeiros aqui na Europa, e dos pobres que votam no PT no Brasil. É claro que a culpa é do povo “ingnorante”. Entrei numa discussão (eu sou muito besta) no face e a pessoa teve a incoerência de me retrucar que a gente não pode esperar que uma pessoa que more no sertão do nordeste tenha a mesma “clareza” que um gerente de uma grande empresa na hora de votar. Na hora morri de raiva mas me acalmei e tive que concordar, né?(Só para avisar, desse ponto em diante serei irônica) Porque o cara pobre vai trocar o voto por uma cabra, um saco de farinha ou uma cesta básica (ou talvez um calça jeans de R$300 para a filha), mas o gerente da empresa vai votar para quem tiver as melhores propostas para a indústria. E as melhores propostas para a indústria podem incluir a perda dos direitos trabalhistas, mas não faz mal, ao fim, que o gerente da empresa que vota com clareza esteja votando em algo que vai beneficiar somente o rabo dele. Afinal, se um gerente de uma grande empresa está fazendo lobby para conseguir o que é bom para ele isso não é vender o voto, isso é diferente. Mas o coitado que troca o voto por uma cesta básica não tá fazendo a mesma coisa porque ele é um ignorante. Esses coitados deveriam estudar, pra se tornarem gerentes de uma grande empresa e daí trocarem o voto por algo maior. Tipo, um contrato para construir uma hidrelétrica na Amazônia.

E isso dá mesmo raiva não dá? Pense aonde é que o Brasil poderia chegar se só os entendidos votassem. Tudo ficaria perfeito para a classe rica. Eles ficariam ainda mais ricos, e os pobres iriam perdendo direito atrás de direito, sem poder reclamar. (Tipo, se alguém classe média alta fosse na TV reclamar que a coisa tá tão feia que não pode comprar uma calça jeans de R$ 300 para a filha seria normal. Aceitável. “Terrível”, alguns diriam, ou “que pena dela”. Agora um pobre – e beneficiário do Bolsa Família ainda! – reclamar que não tem R$300 para comprar a calça para a filha vira uma discussão enorme na rede. Aonde já se viu? Pobre querendo direitos! E de comprar coisas! E de reclamar!). Afinal, só existem pessoas muito ricas num mundo em que outras pessoas estão muito pobres. Esperto é aquele que faz o possível para que o número de pessoas bem ricas diminua bastante, assim os bem ricos vão ser muito ricos. E os pobres serão muitos, e muito pobres. A Europa invadiu toda a América Latina e a África e destruiu os povos que moravam lá, fez todo mundo pobre. Agora esses mesmos pobres invadem a Europa e coitados dos Europeus, que recebem os estrangeiros aqui de braços abertos e se dão mal.

Eu to tão cansada da internet por causa de toda essa merda que eu vejo, e de povo que dá like para postagens de ódio. Mas eu ainda quero muito escrever o que eu penso (sei que muito poucos irão se importar, mas é assim com qualquer discussão mais ou menos importante) e o que eu tenho certeza é que não importa aonde no mundo, o que está fazendo tudo ruir é o problema da integração. A Europa não está integrando os estrangeiros (se estivesse mesmo, porque eu não tenho emprego, apesar de ter meu diploma reconhecido e sueco suficiente?); os brasileiros não estão integrados, os chineses não estão integrados, os africanos não estão integrados. Brasileiro fica reclamando de pobre ainda quando é pobre. E isso eu não to citando para falar mal do Brasil não, eu to querendo sublinhar porque é um dos Xs da questão: se todo pobre se envolvesse em torno da luta contra a pobreza, se toda mulher/homossexual/negro/pessoa com deficiência se unisse pela luta pelo direito das mulheres/homossexuais/negros/pessoas com deficiência – e nem precisa ter um comitê separado não, poderia ser um grupo só em favor dos direitos das minorias – se a população se unisse para acabar com a corrupção; os africanos se unissem apesar das diferentes tribos, as religiões se unissem apesar de diferentes deuses… tanto faz aonde fosse no mundo; teríamos um resultado surpreendente.

E no meio da madrugada eu entro na internet e fico lendo notícias sobre a mortalidade materna e infantil em Serra Leoa, sobre a discrepância do Estatuto do Nascituro, sobre grandes empresas que pagam nada pela hora de trabalho na China e fico questionando porque as minorias (no poder) não viram o jogo? Nós somos a maioria. O mundo tem mais pobres do que ricos e mais mulheres do que homens e mais chineses do que… ok, os chineses já estão dominando o mundo. Mas eu me pego pensando o que seria necessário para dar início a um revolução (to soando marxista agora) das “minorias maiores” contra as “maiorias menores”…

Ideias?

Anúncios

16 comentários sobre “No meio da madrugada…

  1. Eu me revolto quando vejo os imigrantes criticarem a Suécia, assim como reclamam de seu própio país. Nenhum lugar é perfeito mas daí só criticar eu acho injusto.
    Também sou imigrante e nao posso nem devo generalizar. Mas nós imigrantes podemos fazer um pouco mais pra certas coisas melhorarem nem que seja um pouco. No dia dia mesmo, já que nao adianta reclamar das autoridades e nem querer movimentar a populacao porque todos concordam mas nao acabam nao vendo muita solucao ( como eu rs ).
    Nao feche o seu blog, voce mesma diz que nao há muita coisa útil na internet, o seu blog é útil entao nao feche ele ta bom ?!
    Nao se desanime com as besteiras alheias =)
    Puss puss*

  2. Ah Maria! Sim, há muita, imensa bosta na internet. Hoje em dia o acesso à informação é muito mais fácil do que há 100 anos atrás mas também há um número preocupante de gente que não quer se informar. Não sei se meus contactos do facebook são muito tranquilos comparados com seus mas até hoje apenas vi um par de “postagens de ódio/ignorância”. De resto, vejo o do costume: muita gente que é perfeita, que come a comida perfeita, que faz as viagens perfeitas, que tem os amigos perfeitos etc etc. E isso também cansa. Eu noto que sou bastante mais feliz quando fico longe do facebook, até porque normalmente o facto de andar longe do facebook significa que bem ocupada. No entanto, não deixaria o facebook (nem a blogosfera ou a internet) simplesmente porque, como emigrante, essas são ferramentas que facilitam imenso o contacto com os que estão longe – e por conseguinte ajudam a manter a pouca sanidade mental que me resta ;)
    A Rúbia tem razão, não feche o blog porque ele é uma das coisas úteis que há na internet. Estou sendo sincera: sempre que noto que você atualizou o blog eu venho correndo ler, embora às vezes demore a comentar. Gosto muito muito muito do seu blog, Maria. Beijos!!

  3. Nossa, leio seu blog há um tempo e você sempre tem algo bom a escrever! Eu adoro! :)

    Mas esse post diz tudo aquilo que eu penso e gostaria de dizer quando vejo algo assim no facebook e a minha única reação (a única que consigo externar) é balançar a cabeça de forma negativa. Já desisti de dar uma luz às pessoas.
    Mas fica aqui meu parabéns por você conseguir dizer tudo isso!

  4. Maria que pertinente seu comentário, ainda mais quando querem humilhar o Brasil eles adoram usar a Suécia como exemplo. Porem as coisas boas dai não são adotadas aqui e tem bomba vindo para nós como esse estatuto do nascituro.O problema dos refugiados é uma coisa tão seria também assim como a distribuição de renda por aqui. Enfim essas coisas são pesadas demais para serem discutidas por Facebook ainda mais quando há tantos reacionários.

    Acompanho faz tempo seu blog, força ai caipira não deixa a peteca cair agora.

    Bjos

  5. Maria, eu encontrei o seu blog ha alguns meses quando buscava a traduçao de algum ingrediente de receita para sueco. Foi o google que me trouxe aqui e eu comecei a ler a sua experiência com a lingua, a cultura e Gotemburgo, onde eu pensei em estudar o mestrado.
    Desde entao eu venho aqui algumas vezes na semana para ler seus novos textos.

    Eu gosto muito do seu blog. Aprendo sobre a burocracia sueca mas também me identifico com a sua maneira critica com a vida em geral. Eu nao suporto blogs de estrangeiros morando na Suécia mostrando as maravilhas do pais que – eu pelo menos – aprendi no colégio no Brasil como modelo de Estado Social.

    Eu amo a concretizaçao de muitas idéias feministas na Suécia, apesar de tantos pesares que você cita. Qualquer tipo de idelizaçao que eu tinha se foi quando eu tomei conhecimento da industria bélica deles que parece ser tao regulamentada quanto comprar alcool no System.

    Enfim, nao encerre seu blog nao. Como você mesma disse, gente idiota tem demais na internet. E sao pessoas cheias de certezas. Você guarda espaço para a duvida e trocas, é raro!

    Um abraço

  6. Moça, se você tá cansada cria um post falando que vai ficar um tempo fora mas não feche o blog pf :>

    Um dia eu assisti um filme chamado Idiocracia de 2006, se não viu veja, e o que eu percebo, fora da internet mesmo, é um exemplo perfeito do filme.

    Sobre a sua pergunta che guevarista minha opinião, fecal, é a seguinte: as pessoas só lutam pelo que elas acham que é importante e há muuuuito tempo o importante é TV futebol BBB carnaval “feisse”, nem preciso continuar. A política não se importa com isso mas, mesmo que eles queiram que a população seja mais ativa politicamente, essas ferramentas são muito mais atraentes para o público em geral. Quem vai querer uma montanha de problemas pra resolver ao invés de consumir ódio, inveja e sexo(que naverdade é visto como realidade, luxo e amor, respectivamente)? Se você tirar isso das pessoas elas vão querer de volta sem nem querer saber o porque isso foi tirado delas.

    Não lembro onde li que na América latina o Brasil não absorve cultura de países vizinhos, apesar de fazer fronteira com quase todos eles, mas exporta sua cultura para o mundo. Isso me lembra a cena de um cavalo com aquele tapa-olho(que se chama tapa) e o condutor chicoteando-o sem ele nem sentir. Enquanto a maioria não se incomodar com a comida no prato nada vai acontecer.

    Acho que chegamos num ponto em que é possível discordar do ditado “Ignorância é uma benção” mas naverdade é um problema, e muito grave.

  7. Oi Maria. Como assim fechar o blog? Agora que a coisa está ficando boa? Nao, você tem que ficar e colocar prá fora toda sua indignação. Estou quase terminando meus relatos de viagem no Brasil e estou me cocando prá escrever sobre as impressões que tive depois que voltei para Suécia. Tantas coisas aconteceram e tenho novas sensações para compartilhar. Parte do que você escreveu está bem vivo dentro de mim e nao quero que você nos abandone. Seu blog é demais, principalmente quando você escreve de madrugada. Continue guria! Beijo grande de uma seguidora paranaense como tu!

  8. Concordo com você que existe muita bosta na internet, mas o seu blog é uma das melhores coisas que existe na internet!
    Você já parou pra pensar quantas pessoas você já ajudou com ele?
    Você escreve muito bem, se expressa muito bem! Você não fala só a sua opinião, fala também sobre pesquisas/dados científicos e isso é muito legal nos seus posts!
    Não pare, Maria! Faça a diferença na internet!
    Entendo toda a sua revolta com a desigualdade mundial e todas as injustiças, mas infelizmente não tenho uma grande ideia para salvar o mundo!

    Beijos =)
    Fica Bem!

  9. Caipira linda, que texto incriiivel!!E ao mesmo tempo doloroso.Sua mente inquieta descreveu meu sentimento (e certamente de outras pessoas tambem).Se somos tantos, pq a inercia?Pq deixamos criancas serem violentadas em alguns paises da Africa?Mulheres serem espancadas?Pq essas pessoas nao sao salvas?Pq sabemos no terror que elas passam e nao nos esforcamos para tira-las dessa situacao de risco?No maior estilo, o que os olhos nao veem, o coracao nao sente e vamos vivendo nossas vidinhas, nossas rotinas, lutas diarias pouco ligando que em algum lugar desse mundo pessoas inocentes sofrem dor fisica e estao nas maos de psicopatas.As que sobreviverem, provavelmente continuarao o comportamento insano em um ciclo de sofrimento sem fim.Queria muito entender que poder e esse que faz com que as massas fiquem petrificadas quando deveria existir uma acao.Pq se eu visse uma crianca apanhando na minha frente, eu a defenderia, mas se acontece longe de mim, eu simplesmente tento pensar em algo mais agradavel??

    perdao pelas palavras sem acento, ta?

  10. Oi Rubia!
    Eu sei que dá raiva de gente que fica reclamando e eu acho que esse é o problema: tem gente que reclama de tudo! Quando morava no Brasil era uma merda e agora que mora na Suécia só choraminga também… eu diria a você que tome distância desse tipo de pessoa. Gente que não consegue enxergar alguma luz na vida nunca sai do modo choramingão e me acredite: não faz falta! Concordo com seu discurso “depende de nós” e é por isso que eu fico pensando: como eu posso ajudar a mudar o mundo a minha volta?

    *****
    Hahaha Joana!
    Sabe que eu fiquei pensando mesmo depois de publicar o post que parece que todos os meus amigos do face são energumenos! Mas é que meus olhos puxam… se um amigo publicou alguma coisa séria e aparece um babaca para comentar eu vejo. É como se estivesse uma luz vermelha piscando lá que me atrai… no mais a maioria dos meus amigos facebookianos tem uma vida perfeita, assim como os teus. Internet ajuda mesmo a diminuir a distância da gente com as pessoas queridas… isso é o que eu mais gosto nela. Não penso em fechar o blog por causa do cansaco (estou sem cedilha, perdão) com a internet, penso em fechar porque estou realmente sem tempo de administrar.

    *****
    Oh Mônica por favor, não me deixe só! Como diz a Vanessa da Mata, eu tenho medo do escuro, me ajude a tentar dar um pouco de luz a esse povo! A propósito, já te vi comentando?
    Bem vinda!

    Beijos gurias!

  11. Oi Bianca,
    Possa saber de onde tu é? Ou posso te chamar de Bia? Tem outra Bianca que comenta as vezes… Bem vindaaa!!!
    Isso também é um ponto: facebook não é lugar pra se discutir essas coisas… mas poderia ser. Quem está discutindo “como vamos mudar o mundo” e aonde? Mas pah, tá aí outra coisa que me deixa deveras irritada: ficar comparando o Brasil com esse e aquele país. Tipo… não dá. Pela história, pela dimensão do Brasil, pela populacão, por tudo. Não tem como afirmar que nesse caso números não influenciam porque sim, influenciam. Eu morei numa cidade pequena no Brasil onde as coisas funcionavam, mas qualquer cidade média ou grande (metrópole então nem se fala) no Brasil sofre demais com o sobrecarregamento: no sistema de saúde, educacional, seguranca… Daí usar um país de quase 10 milhões de habitantes para comparar com um país de quase 200 milhões é uma puta sacanagem!

    *****
    Oi Paula!
    Bem vinda!!
    Cada um tem um estilo para escrever e a sua sorte é que sou péssima descrevendo. Sou uma velha ranzinza presa em um corpo de 30 anos… ainda tenho muito pitaco para dar (é porque eu falei para Rubia manter distância de gente que só reclama que eu usei pitaco). Acho que a Suécia é um país muito bom de se morar, mas o Brasil também é e cada um dos dois países tem alguma coisa boa que faz a gente feliz. Se eu te contar: tem muito sueco que tem vergonha do potencial bélico do país (ou melhor, da tecnologia que eles exportam) mas o governo não está nem um pouco interessado em soltar esse “naco” extremamente rentável…
    ainda que sempre pose de bom moco por aí!

    *****
    Rapaz, você gosta de sertanejo é? (sertanejo de verdade…) Do jeito que você escreveu até parece um cara do campo! Danilo, eu não vou fechar o blog mas talvez dê um tempo sim. Estou totalmente sem tempo de atualizar a bodega e fica chato deixar tudo as moscas. Mas antes disso eu ainda preciso compartilhar algumas histórias… Eu vi o trailer de Idiocracia e sei aonde você leu a história de que o Brasil exporta cultura mas não importa: na lista do Oliever “curiosidades sobre o Brasil”. Olha, depois que eu mudei para cá entrei em contato com nicaraguenhas, ondurenhas, costa riquenhas, dominicanas e mais gente da América Central e nem fazia idéia de como a cultuta deles é rica! Então de certa forma eu concordo com o Oliever e tem outra: essa imagem de que Brasil é carnaval e futebol é um saco! Mas com relacão a comida no prato eu concordo: tem gente que só pensa em comida, porque não pode comer. Enquanto essas pessoas não tiverem esse mínimo garantido elas não vão pensar em outra coisa…

    Té mais!

  12. Cíntia,
    Eita mulher passeadeira viu? Faz uma viagem de dois meses e aproveita tanto que demora quase três pra contar a saga… hahahaha. Eu não sei se posso continuar postando as noites. Por enquanto ninguém reclamou porque eu faco isso durante a “hora do lobo” mas vai que alguém enche o saco né? O porque de eu pensar em fechar o blog é o fato de que eu não consigo blogar com a frequência que quero, tenho posts em rascunho inacabados e tanta coisa que eu queria escrever que simplesmente não cabem nas minhas 24h. Eu não sou daquelas de escrever todo o dia, mas ficar 10 dias sem bloggar também é… Em todo o caso, fica me devendo um post porque eu to curiosa para saber dessas suas impressões…

    *****
    Mas eu preciso de ajuda Rafa…
    Eu ainda não desisti da minha ideia de fazer algo concreto pelo bem comum. Mas tem que ter apoio também sabe? Eu gosto desse empurrãozinho que consigo dar para pessoas que estão mudando e estão morrendo por informacão, mas eu queria ajudar pessoas que precisam de outros empurrões em suas vidas… Eu já sou assistente social, mas esse é o meu trabalho! Bom, em todo o caso, obrigada pela forca…

    *****
    Naraaaaa!
    Esse é o ponto! Estamos com transmissão de pensamento ou o quê? Bom, teoricamente eu sei explicar porque a gente não se choca com coisas que não acontecem diantes dos nossos olhos, mas eu ainda não entende porque o mundo escolhe com o que devemos nos chocar! Por exemplo, quando aquela bomba estourou na maratona de Boston e passou milhares de vezes na tv os cidadãos americanos submetidos ao terror!!! Ohhhhh! E enquanto isso os EUA tem aviões robôs sobre o oriente médio MATANDO criancas! Ninguém se importa com o terror em que elas estão vivendo! Näo há câmeras filmando, e os poucos filmes feitos a respeito não despertam atencão da mídia… ninguém faz Ohhhh! ninguém está fazendo discursos enérgicos na tv sobre integridade da nacão… ou melhor, há alguns poucos que aí são tachados de terroristas! Que nojo disso tudo! Eu perdoo pela falta de acentos… :P

    Beijossssss

  13. Gosto da sua atitude em fazer o bem a quem está no seu dia dia ( em sua volta ). Está certa, pra querer mudar o “mundo” precisa comecar pelos mais próximos, é isso aí.

  14. Pingback: De como (não) organizar uma manifestação | Uma Caipira na Suécia

  15. Pela primeira vez eu cheguei ate teu blog, essa semana meu antigo professor me veio com uma oportunidade de trabalhar e morar na Suecia.
    Enfim, casos a parte, aqui ainda nao e madrugada e continuo com questoes parecisas com a tua, de que a internet da nojo, os governos nos corrompem e mesmo assim nao desisto de pensar que temos saida, salvacao, jeito.. de o nome que preferir.
    Chega a ser contraditorio mas quase desisto disso tudo por nao acreditar mais.
    Enfim, o que eu queria lhe dizer e que senti um gostinho de furia e verdade nas tuas palavras que me lembrou o que eu sentia ha tempos atras. Goste e senti falta de diversos sentimentos que eu cultivava, parecidos com os teus.
    Vou seguir diariamente teu blog, quem sabe se eu mudar mesmo, cheguemos a trocar figurinhas sobre a viagem,
    Tudo de bom, beijao.
    Eduardo

  16. Alô Edu,
    Bem vindo!
    Que legal, tomara que você tenha oportunidade de conhecer a Suécia ao menos… eu gosto daqui apesar de ainda estar me adaptando. A vida é uma adaptacão constante (estou escrevendo de um teclado sueco, não tenho cedilha, me desculpe). Pois é, se compartilhamos o mesmo sentimento talvez você possa me ajudar com uma dúvida: o que faremos a respeito disso? De que modo deveríamos agir? Infelizmente eu não posto diariamente, mas seja bem vindo para dar seus pitacos sempre.
    Abracos

Agora vamos prosear!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s