Diário Caipira – 2

É absurdo que a gente fale com as pessoas e todo mundo esteja preocupado com a economia. A D Economia passou a ser alguém muito chegado e próximo da vida de todo mundo e qualquer um. Não que eu não veja motivos para que a gente fale a respeito da D Economia e expresse preocupação pelas PESSOAS que serão duramente afetadas pela crise que vem junto com o corona.

O que me incomoda é o papo sobre “Economia” como se a “Economia” fosse alguém. Alguém de verdade. A D Economia tá com a moral lá em cima e o status muito bom, e apesar de andar meio capenga das pernas já faz um tempo, tem mais gente capaz de defende-la e de dar a vida por ela do que gente que estaria disposta a dar a vida para que um completo desconhecido sobrevivesse – ao corona ou simplesmente à extrema pobreza.

A Suécia ainda nem entrou em isolamento horizontal e as pessoas já sinalizam querer sair por conta da economia. E, de novo, vejo com preocupação o enorme número de pessoas que perdem, perderam ou perderão seus empregos ou negócios por conta do corona. A minha preocupação é com questões como: quem vai amparar as pessoas que perderem tudo por conta da pandemia?

Isso porque eu sei que nós, seres humanos, somos terríveis para estender as mãos aqueles que precisam. Já viramos a cara para pedintes e pessoas sem teto agora. Catalogamos miseráveis como marginais, preguiçosos, azarados. Não queremos contato. Talvez um reflexo do medo porque eu acredito que o pavor real de muita gente é parar lá, embaixo da ponte ou sentado na porta do supermercado porque sabemos, quando chegarmos lá, muitos passarão por nós e farão de conta que não nos veem.

Essas mesmas pessoas são aquelas que falam em salvar a economia. Não pensando em vidas, em pessoas. Apenas pensando na Deusa atual, a D Economia, que foi criada por nós e agora nos faz escravos…

Um pinguinho de primavera despontando

***
Dados da Suécia em 04 de abril:
– 6443 casos confirmados
– 520 pessoas tratadas na UTI (não fica claro se estão em tratamento ou se foram tratadas)
– 373 mortos (219 homens)

A maior concentração dos casos está na região de Stockholm. Na região de Gotemburgo (Västra Götalands län):
– 537 casos confirmados
– 54 em UTI
– 18 mortos.

Fonte: Folkhälsomyndigheten