Diário Caipira-51

Eu sou daquelas que sonha e lembra dos sonhos. Alguns deles dariam bem um episódio de Black Mirror, outros estariam mais pra uma coisa Mary Poppins. Mas as crianças já acostumaram me ouvir falando sobre o que sonhei.

Hoje acordaram tagarelas. Aí vem o mais velho e diz: “mãe, sonhei que o mundo tinha mudado pra muito melhor. Não tinha mais vírus e nem nada assim e todo mundo podia fazer as coisas que fazia antes, sair, ver os amigos. Mas ninguém precisava trabalhar porque o dinheiro só aparecia assim nas casas das pessoas. E também a gente podia jogar vídeo game o quanto quisesse!”.

Acho que o mundo não será o mesmo depois da pandemia, seja lá quando esse depois aconteça. Há dias que eu tenho muita esperança de que esse novo amanhã seja mais justo e solidário. Eu tenho medo e estou curiosa também…

Medo porque sei que há enorme potencial na nossa civilização que não é utilizado para o bem comum. No final das contas, nem conseguimos concordar qual seria a melhor forma de democratizar o “bem comum” (sem falar que nem é possível concordar sobre o que “bem comum” seria exatamente…)

Por exemplo aqui em casa… para alguns seria jogar vídeo game sempre que se quisesse. Pra mim seria…