Diário de uma cabeça de vento-71

Acho que sempre ouvi “ai ai menina! Se a cabeça não fosse grudada no pescoço tu ia deixar por aí”.

Hoje fui no mercado. Fiquei brava porque o mercado passou por uma reforma e tudo mudou de lugar. Aí a gente fica besta zanzando e caçando as coisas. Quando saí, prendi a sacola na magrela e… cadê a chave do cadeado?

Nada num bolso, nada no outro. A bolsa? Cheia de tudo, menos da chave. Que remédio né? Juntei as tralhas, entrei no mercado de novo e comecei a procurar a chave já me preparando mentalmente pra ligar para o marido com o rabo entre as pernas “amor, tranquei a bici e perdi a chave do cadeado. Pode me salvar?”

Por sorte, encontrei a chave. Mas acho que deixei mesmo a cabeça em algum lugar…