5 anos de Suécia

Eu já comemorei e já refleti um bocado. Estou niilista demais ultimamente e cansada dos sofismos de internet. Ando bem triste com uma porrada de coisas e me dou o direito de me manter calada quanto a isso.

Eu poderia escrever aquela célebre frase “morar no Brasil é uma bosta mas é bom,  morar no exterior é bom mas é uma bosta” mas pra não ficar no mais do mesmo decidi ir de engenheiros hoje. Uma hora em que eu estiver com ânimo venho aqui contar do trabalho.

Hey, mãe! Eu tenho uma guitarra elétrica
Durante muito tempo isso foi tudo que eu queria ter
Mas hey, mãe… alguma coisa ficou pra trás
Antigamente eu sabia exatamente o que fazer
Hey, mãe! tem uns amigos tocando comigo
Eles são legais e além do mais, não querem nem saber
Que agora, lá fora, o mundo todo é uma ilha
A milhas e milhas de qualquer lugar

Nessa terra de gigantes
Que trocam vidas por diamantes
A juventude é uma banda numa propaganda de refrigerantes
As revistas, as revoltas, as conquistas da juventude
São herancas são motivo pras mudancas de atitude
Os discos, as dancas, os riscos
Da juventude
A cara limpa, a roupa suja esperando que o tempo mude
Nessa terra de gigantes
Tudo isso já foi dito antes
A juventude é uma banda numa propaganda de refrigerantes

Hey mãe, eu já não esquento a cabeca
Durante muito tempo isso era só o que eu podia fazer
Mas hey hey mãe por mais que a gente cresca
Há sempre alguma coisa que a gente não pode entender
Por isso mãe… só me acorde quando o sol tiver se posto
Eu não quero ver meu rosto antes de anoitecer
Pois agora lá fora
O mundo todo é uma ilha
A milhas e milhas e milhas e milhas e milhas…

Anúncios

Uma rapidinha

Eu devia ter ido dormir faz uma hora.

É legal ser assistente social em outra língua, mas cansa.

Ser assistente social cansa de qualquer forma.

Já cheguei ao meu ponto.

Espero que tenha sido bom pra você também.

Boa noite.

A beleza da vida

Hoje passei o dia de cama. É muito comum que crianças pequenas peguem ao menos uma virose durante o inverno. Desde que o Benjamin começou na “escolinha” já passamos por duas: na semana passada Joel e Benjamin e nesse fim de semana eu.

Dizem que o mês de fevereiro é ainda mais propício para essas viroses e a maioria dos pais passam esse mês se revezando no cuidado dos filhos, uma vez que é proibido deixar a criança doente na escola.

Primeiro eu fiquei bem desanimada. O Benjamin mal começou e já perdemos dois finais de semana na cama, secando vômito e comendo mal. Isso tudo que ainda posso contar com a ajuda dos meus pais que vieram dar uma espiada no que é inverno de verdade.

Minha mãe (que também está de cama) brincou que agora ela tinha experimentado o inverno sueco em sua plenitude: chuva, frio, temperaturas negativas, vestir em camadas, neve, escuridão e… virose. Não faltou nada. Eu tive que rir e concordar.

Enquanto eu estava deitada com meus ais meu pai pegou o violão e começou a entreter o Benjamin com músicas infantis. Meu pai não toca violão, mas ficou brincando com as cordas e em pouco tempo Ben estava rindo, pulando e rodopiando pela sala. Ficou dançando ao som do sapo que não lava o pé e não deixava que meu pai parasse. Eu fiquei assistindo aquilo tudo já com saudades. A gente vive mais ou menos correndo atrás de perfeição, queremos fazer o que fizermos do “jeito certo” mas na maioria das vezes isso não passa de vaidade. Meu pai tocando violão sem saber, Benjamin desfrutando, rindo e eu deitada na rede com uma puta dor nas juntas… mas mesmo assim meu corpo se encheu de paz e calor contagiante devido a alegria e pureza do meu filho. Eu gostaria de poder ter congelado aquele momento para sempre e então pensei em escrever ainda que eu saiba que as palavras não alcançarão o meu propósito.

É só que a beleza da vida é para ser vivida. E eu estou muito agradecida de ter a oportunidade de perceber isso, ainda que eu esteja tão cansada que só queira dormir.

Choque cultural – episódio 198765743

Não importa o quão rápido você se estabelecer e acredita se adequar ao seu novo país, volta e meia você leva umas na cabeça e passa pelo ET de Varginha.

Com a rotina nova chegando também chegou a hora de botar o piá na escolinha. Pelo que vi por aí a Suécia é referência internacional em educação infantil mas aqui… as matérias que você lê nos jornais a respeito dos centros de educação infantil são de fazer cair os cabelos de um careca. Pais e professores tem listas enormes de reclamações… por sorte, aqui perto de casa tem uma escola para menores de seis anos que tem uma boa fama.

Eu queria – ainda assim – botar o Benjamin numa escola particular que é uma cooperativa de pais. Já havia lido a respeito no blog da Cíntia que atualmente mora em Oslo e nossos vizinhos tem a criança deles lá então achei que seria bacana tentar uma vaga para o Ben na mesma escola mas… não há vagas.

Para conseguir vagas nos centros de educação infantil mais concorridos é sempre necessário inscrever a criança com bastante antecedência. Há rumores de que o tempo de espera na fila de vagas pode ser mais longo do que um ano na capital. Aqui a coisa gira em torno de seis meses. Em todo o caso, não sou o tipo de pessoa que ganha um oscar no quesito planejamento, então o Benjamin está na fila para a escola privada (a cooperativa de pais) mas está fazendo sua adaptação na escola pública.

Antes de continuar a história vou contar que todos os centros de educação infantil cobram uma mensalidade dos pais. Essa mensalidade é baseada na renda mensal da família (no caso de escolas municipais) ou do que a escola acha razoável  (no caso das escolas privadas). O engraçado dissi tudo é que algumas escolas privadas tem uma mensalidade mais barata do que as municipais, vide o caso dessa cooperativa de pais a qual eu estava interessada.

Pois bem, você faz a matrícula online e informa a partir de que data a criança precisa começar a frequentar o centro de educação infantil. Eles te enviam uma cartinha pelo correio e dá se início a uma troca muito louca de correspondência, porque apesar do processo começar online você precisa reenviar todas as informações  (as mesmas que você preencheu naquele formulário da web) num papel assinado (de certo para provar que você é uma pessoa real e não um vírus). Depois que o ritual de apresentação e matrícula se completa você é convidado a conhecer as dependências da escola. É normal que os centros de educação infantil promovam duas ou três vezes por ano uma confraternização que é aberta a todos os pais que tenham interesse em buscar vagas para seus filhos num futuro. Mas a gente é chamado mesmo assim para ser apresentado oficialmente à escola, receber mais papel que explique todos os paranauês referentes às responsabilidades dos pais e das crianças e dos professores, a lista de materiais etc (que no caso da educação infantil sueca se resume a fraldas e roupas a prova de água e vento para que a criança possa brincar quando chove ou neva e as temperaturas estão em 23 negativos) e o processo de adaptação.

Existe disso no Brasil, período de adaptação da criança à escola? O objetivo é preparar a criança para a nova rotina. Então os pais vão ao centro de educação infantil com a criança e ficam lá para que ela vá se acostumando com o ambiente novo, vá conhecendo os coleguinhas e professores enquanto a mãe e o pai (ou apenas um dos dois) está presente. Esse processo dura em média duas semanas, mas pode ser mais curto ou mais longo.

Eu perdi a reunião de apresentação da escola por causa do trabalho mas li toda a papelada referente a adaptação – uma vez que eu estou de férias entre um trampo eu vou fazer isso com Ben. Mas é foda. É muito estranho deixar um filho com pessoas desconhecidas. As professoras parecem gente boa – são três – nenhuma das crianças lá tem quatro olhos ou três braços – são 13 – mas dá um frio na barriga, uma coisa super ruim. E é aí que meu problema começa.

Culturalmente os suecos querem e prezam pela formação de indivíduos independentes. Isso já a partir do primeiro ano de vida. Tem mãe que jura que o filho faz a própria mamadeira quando completa 12 meses. Eu não me importo que Benjamin seja dependente porquê pra mim ele é UMA CRIANÇA E CRIANÇAS SÃO SERES EM DESENVOLVIMENTO, logo, dependente. Inclusive – e o mais importante – dos pais.

Aí o diálogo que me faz ver o mundo tipo como se eu estivesse num episódio de star wars:

– Seu filho só vai começar a confiar na gente quando você deixar ele sozinho aqui. Então hoje você saia por favor uns 10 minutos para caminhar.

– Certo. Se ele não chorar eu saio.

A professora da escola me olha como se eu tivesse antenas na cabeça.

– É  normal eles chorarem. Faz parte do processo.

– É, provável. Mas eu não quero sair se ele não se sente seguro.

Ela repetiu o mesmo e eu desisti. Pra mim é óbvio que crianças chorem. Choram porquê tem medo, sono, fome, pra mostrar que não querem que algo aconteça. Então se eu quero que meu filho se sinto seguro eu não deveria escutá-lo e parar? Ficar e dizer olha meu bem, está tranquilo! Afinal, estamos no terceiro dia do período de adaptação. Pra mim deixar ele na porta da escola chorando e dizer “tchau agora eu vou”, ver ele chorar e ignorar é tipo botar no berço, deixar sozinho e dizer que vai acostumar a dormir sozinho, vai chorar mas vai aprender. Vai aprender que a mãe abandona. Mais tarde eu conversei sobre isso com uma pessoa, sueca, e ela também me olha como se eu tivesse antenas na cabeça e fosse azul. Tipo… seu filho vai sempre ter o que quiser de você porque vai aprender a te dobrar chorando! Sério, uma criança de 19 meses que fala frases de duas palavras chora para me manipular?

Sei lá se toda mãe brasileira pensa assim, mas nessas horas me sinto tão fora dos padrões, tão longe do que essa galera aqui entende por maternidade… ou no caso, essa professora em particular. Eu acho que tem que haver respeito para com o tempo da criança – e da mãe também – porquê é um processo difícil.

Se há tempo – duas semanas para se acostumar – por que forçar a barra?

Não to entendendo.

Em tempo: eu disse tchau para o Benjamin e saí por 15 minutos e ele estava bem feliz tanto quando saí como quando voltei. Melhor assim né?

Ciclos

Eu vivo escrevendo posts pela metade que nunca são publicados. Esse vai ficar meio pela metade, mas vai ser publicado.

Faz algum tempo que eu percebi que sou adulta. Entrei no mundo cinza e chato das responsabilidades e deveres. É um mundo de possibilidades também, mas essa segunda parte é mais complicada. Primeiro o dever, depois o prazer. E dentro da criação católica que recebi quanto menor a dose de prazer melhor, afinal, se você não sofrer o pão que o diabo amassou não vai ser digna do céu.

Hoje foi meu último dia de trabalho no abrigo. Em fevereiro vou virar assistente social de escritório e trabalhar com bolsa família sueco.

Sei lá, a empolgação não está fazendo parte dessa mudança. Não sei se é porque a gente fica mais sério mesmo quando amadurece e se vê adulto, ou se é por causa daquele lance católico (ultimamente eu tenho lido bastante sobre as misérias desse mundo e se existe um inferno que é pior do que a maioria da população mundial passa diariamente cara… eu definitivamente não quero ir parar lá) ou se é porque a minha vida tem mudado tanto ultimamente que nem sinto as mudanças… o negócio está sendo meio… ok. Vou ser assistente social. Vou trabalhar em Gotemburgo. Não vou mais passar três horas indo e voltando do trampo. Vou ter todos os finais de semana livres.

Eu poderia deixar uma frase bem bonitinha tipo “um ciclo se fechou e estou muito satisfeita com a experiência adquirida”… mas pra ser sincera meus ciclos ultimamente estão mais para ciclones, e ao que me parece estou muito ocupada com a bruxa do norte.

Será que existe uma estrada de tijolos dourados?

Retrospectiva 2015 #2

O dia que andei de ambulância

E eu ainda não sei porquê. Mas eu tinha voltado do trabalho e decidido levar o Ben na brinquedoteca. De lá fui direto para casa e o como o guri dormiu no caminho eu resolvi deitar e dormir também (quem é mãe sabe… bebê dormiu vai deitar criatura e não fique esfregando as panelas).

Quando acordei o Joel estava em casa. A gente tinha algumas (muitas) coisas pra arrumar porque íamos para Chicago, e eu fiquei meio que com dor na consciência… até me olhar no espelho e perceber que metade do meu rosto havia paralisado. Pensei em derrame cerebral na hora e falei com o Joel. Ficamos naquela parada de negação do não! Será? Você está brincando né!? e coisas do tipo até ligarmos para o serviço de saúde telefônico (sim, na Suécia é sempre melhor ligar para o serviço de saúde telefônico antes de se dirigir ao hospital porque a chance de você ser mandado para casa é enorme… economiza a viagem). Quando começamos a falar com a enfermeira ela nos mandou desligar imediatamente e chamar a ambulância.

Eu comecei a rir e o Joel quase chora. Aí ligamos a ambulância e em questão de cinco minutos lá estavam dois rapazes na minha sala mandando eu responder perguntas toscas tipo “que dia é hoje?” ou “qual o nome desse instrumento” (meu violão); ergue o braço abaixa o braço, você tem dor de cabeça? Bla bla bla. No fim eles não chegaram a nenhuma conclusão e ligaram para um neurologista. Aí o neurologista diz o óbvio, que não dá para opinar via telefone e que é melhor que eu seja internada para exames.

Afff… até parecia um filme. O problema era eu ser o personagem “doente”. Chegamos no hospital as 8h da noite e lá eu fiquei esperando o médico até as 6h da manhã seguinte.

Exatamente: eu, paciente com suspeita de derrame cerebral fui internada as 20h, fiquei numa maca no corredor do hospital até às 3h e só vi o médico às 6h da matina, dez horas depois. Isso porque as 5h da manhã eu chamei o enfermeiro e disse: “rapaz eu quero ir embora. Eu tenho um bebê de 10 meses em casa, e se eu tivesse sofrido um derrame mesmo estaria paralisada ou morta agora né? Afinal não vem médico me examinar”. O  enfermeiro ficou branco, foi lá buscar o prontuário médico e zip zap, começa a dar um movimento no meu quartinho e dali a pouco chega uma médica me pedindo mil desculpas.

Às 10h fiz uma tomografia cerebral e  às  11h veio o resultado de que meus neurônios ainda eram os mesmos, graças a Deus, Amém. Depois ainda fiquei no hospital até as 19h porque eles queriam fazer testes para ver se eu não tinha borélia, uma doença transmitida pelo carrapato. Mas tudo deu negativo e por fim me mandaram para casa dizendo que eu provavelmente tinha uma inflamação facial, o nosso popularmente conhecido choque térmico.

Eu fiquei pensando em muita coisa nas minhas horinhas na sala de espera. Medo de não estar aqui para ver o Ben crescer, mas estava tranquila e agradecida por ter o Joel ao meu lado. Literalmente, porque ele podia me acompanhar.

Estava no chat com algumas pessoas que me disseram: finge um desmaio menina e aí eles te atendem. Cinco minutos depois chega uma mulher desmaida que é deitada do meu lado e lá ficou até eu ser transferida para meu quartinho. Eu só vi uma médica na emergência. É o mesmo problema em todo o mundo… hospitais lotados, falta de pessoal e gente deitada nos corredores. Aqui na emergência tem uma salinha onde você pega uma senha, aí vem uma enfermeira fazer a pré consulta (medir pressão arterial e se há febre) e  você recebe um lugarzinho no corredor. De tempos em tempos passa um enfermeiro perguntar se está tudo bem e informa quanto tempo vai demorar para o médico atender. Gente esfaqueada, baleada ou acidentada vai direto para a cirurgia, um setor do hospital onde há médicos especialistas em traumatologia. Gente que chega com a ambulância – como eu aquele dia, sem fraturas expostas ou risco de morte – vai direto para o corredor da esperança. Só vê o médico depois de ir para um quarto. Eu vi muita gente idosa chegando de ambulância e ficando na caminha do corredor… por sorte foram atendidos primeiro.

Não estou reclamando do sistema sueco, que é um sistema bom, mas não é gratuito. O boleto veio depois, e foi all inclusive, desde o passeio de ambulância aos exames. É importante explicar também que é um co-finaciamento. Eu não sei se o hospital é do governo, mas a maioria dos serviços pertencem a empresas privadas, aí quando um cidadão precisa de internação, etc; o governo paga a maior parcela da conta.

Depois de uns 10 dias meu rosto estava funcionando normalmente. Tomei una remedinhos meio esquisitos e o Benjamin por tabela por causa da amamentação, mas era isso ou arriscar fisioterapia depois.

Foi um susto. A gente esquece que é mortal, principalmente depois de se tornar mãe. Mas agora eu não esqueço mais.

Retrospectiva 2015

Carteira de habilitação

Comecei e terminei o ano enrolada na carteita de habilitação sueca. Primeiro foram as provas, teórica e prática, as quais não passei. Eu nem lembro se foram 4 provas teóricas e 3 práticas ou apenas três e duas respectivamente… mas janeiro e fevereiro fiquei estudando e estudando o livro sobre as leis de trânsito suecas e fazendo provinhas na Internet. Tentei duas vezes em fevereiro e março e reprovei.

Perdi a fé, o tesão e voltei a trabalhar. Menos tempo, mais gente me cobrando que eu tirasse a carteira… me matriculei numa auto escola e fiz duas aulas em abril. Tinha prova marcada e fui parar no hospital… desmarquei as provas, viajamos para os EUA, voltamos, a polícia me pegou dirigindo sem carteira…

Aí começou a fase B: trabalhei extra no verão, não tive tempo de estudar, paguei a multa que recebi em julho, marquei novas provas que perdi por causa de um atraso nos trens, remarquei as provas; tirei mais aulas práticas e refiz as provas, reprovei, meus colegas de trabalho começaram a perder a paciência e eu perdi meu direito de tirar a carteira (na Suécia você precisa tirar uma licença para tirar a habilitação).

Recorri da decisão, perdi, cansei, pedi as contas.

Ou seja: comecei e terminei o ano sem carteira de habilitação, mas com alguma experiência.

Ou seja dois: aprendi que ser pega pela polícia dirigindo sem habilitação é muito mais sério do que eu pensava. Além de pagar multa, você fica fichada na polícia por um ano e não tem direito de pedir cidadania sueca. Se eu tivesse só o visto temporário teria o visto permanente negado.

Ou seja três: a Suécia também tem uns furos nas suas leis bem esquisitos. Com relação à carteira: como imigrante (de outro país que não pertença a União Européia) você tem direito de usar sua habilitação por um ano na Suécia. Não importa de que modo você dirige durante esse um ano, está ok não ter habilitação sueca. Dizem os bons que há um jeitinho  (sueco claro) para prolongar esse período. Mas depois disso repentinamente dirigir sem habilitação sueca significa algo gravíssimo.

Ou seja (o último): quanto mais tempo você passa na Suécia pior vai ser a forma como você dirige.

Feliz Ano Novo!