Pré Natal na Suécia – II

Como eu citei no início do post anterior, segundo o pessoal dos movimentos pelo parto humanizado no Brasil (favor não confundir parto humanizado com parto em casa), a Suécia é um dos países modelo número um em parto humanizado no mundo, justamente por causa da questão das enfermeiras parteiras.

Acho que uma das vantagens de fazer o pré natal com uma parteira é que a gente se sente a vontade. A parteira que  está fazendo meu acompanhamento é muito simpática e tranquila e não foi a mesma que me receitou aquele anticoncepcional ruim e isso foi muito importante para mim. O que eu acho que foi mais negativo é o fato de que há um protocolo meio rígido a ser seguido, fazendo com que as consultas de uma hora pareçam ter apenas cinco minutos. Eu nunca tive oportunidade de ter aquela conversa que eu achava que teria com a parteira, na qual eu poderia botar para fora as minhas dúvidas – que eram muitas.

Mas eu não acho que seja uma falha pessoal da parteira e sim da forma como o sistema de saúde na Suécia é construído. A Su comentou por aqui uma vez que o sistema na Suécia não trabalha a medicina preventiva, e simplesmente isso faz uma enorme diferença.

Além disso, não sei porquê achei que a questão seria mais específica, como quando vamos à ginecologista no Brasil mesmo ou como aconteceu no dia do ultrassom bônus, no qual a médica me examinou para ver se tudo estava bem. É importante ressaltar também que as parteiras não tem essa formação ginecológica; quem faz isso por aqui continua sendo o médico. Por isso eu senti que a minha primeira consulta era mais para preencher uma ficha de cadastro: nome completo, peso, altura, data da última menstruação, falar um pouco sobre a dieta recomendada, coleta de sangue para exames, informação sobre o exame de urina, sobre o ultrassom (que só acontece cerca de dez semanas depois), mais info sobre diversos exames que o casal tem acesso (pagando ou gratuitamente) durante a gestação, info sobre possíveis sintomas de aborto espontâneo, info diversas e vixx Maria, nosso tempo está acabando… você tem alguma dúvida? E eu né… tenho muitas! Ao que ela me respondeu que era natural, que eu devia procurar alguns fóruns de mães ou que eu deveria ligar para o serviço de saúde 24h (1177) se eu me sentisse mal.

Sinceramente, alguém pode me dizer o que acontece na primeira consulta pré natal no Brasil?

Em todo o caso, saí do primeiro encontro frustrada. Troquei umas figurinhas com as amigas, desabafei, liguei para minha mãe e perguntei para ela como eram os acompanhamentos pré natal na década de 70, quando ela engravidou pela primeira vez. Parece exagero, mas é assim que eu me senti, mandada direto no túnel do tempo para um lugar onde você não tem os recursos que existem no mundo inteiro – apesar de viver em um país de primeiro mundo.

Eu tenho plena consciência de que o sistema não é ruim – não estou sendo irônica – basta analisar os indicadores de qualidade. Mesmo no Brasil, entre 1990 e 2010 a mortalidade materna caiu 51% e é claro que este é um reflexo da implantação do SUS, mas também do trabalho da Pastoral da Criança. A maioria das mulheres que trabalham na Pastoral são pessoas tão simples quanto aquelas que são atendidas mas esse é um trabalho que dá tão bons resultados que foi “exportado” para mais 19 países no mundo. Ainda assim, 56 mulheres de cada 100 mil morrem anualmente no Brasil em decorrência da gravidez/parto contra apenas 4 mortes a cada 100 mil na Suécia (dados da ONU 2010).

Não há como discutir com números. Mas há como reclamar da falta de calor daqui – e por isso é que já comentei no primeiro post que eu encaro como mais uma questão de choque cultural. Além disso, devido ao meu azar em topar com enfermeiras mais do que ranzinzas eu não me sinto bem vinda nos postos de saúde ou emergências. Sim, eu estou levando isso para o lado pessoal mas já comentei por aqui que o entendimento geral – na sociedade – é de que os árabes e somalianos estragam o sistema porque eles vivem correndo para lá sem motivos – o que irrita o pessoal. Ora bolas, eu sou brasileira, mas já me perguntaram se eu sou curda, ou iraniana (será o nariz? hahaha) e provavelmente o pessoal do sistema de saúde não pensa que são somente os árabes e somalianos que estragam as coisas, para eles qualquer estrangeiro está lá porque não entende seu papel na sociedade e não sabe que posto de saúde e emergência não é local para se passear. Eu já ouvi outros brasileiros criticarem “esses refugiados” e eu quero fazer um apelo: acorda gente! Vocês só estão fazendo a coisa pior para nós mesmos! Ou vocês acham que o pessoal vai perguntar a nacionalidade no atendimento da emergência?

Conheço duas mulheres que tiveram complicações durante a gravidez e foram tratadas com descaso pelos profissionais de saúde daqui. Uma delas perdeu o bebê e uma das trompas por causa de uma gravidez que se desenvolvia fora da útero e foi duramente criticada (até chamada de mentirosa) por enfermeiras que disseram na cara dela que estava exagerando, não era nada – enquanto ela tinha dor e sangramento constante. Outra quase morreu no parto porque, apesar de apresentar todos os sintomas de pré eclâmpsia, o pessoal ficou com cara de paisagem e não deu importância porque ela estava fazendo drama – foi necessária a intervenção de uma terceira pessoa para que ela não se transformasse em um número de estatística. Elas não são suecas e sofreram as consequências de um sistema que parte do princípio que todo estrangeiro faz fita e exagera demais. Se não bastasse isso, nós mesmos ajudamos a fortificar o preconceito falando que é tudo culpa dos refugiados. Mais uma vez: quem é que acha que o pessoal vai perguntar a nacionalidade em uma emergência ou no posto de saúde?

Fechando a sessão desabafo, acho importante reforçar a questão do choque cultural. Pra quem achou que isso era uma coisa que vinha de uma vez só, tá super enganado. Eu me sinto super perdida, no meio de estranhos que não comemoram o fato de uma vida estar surgindo e cercada de enfermeiras ranzinzas que acham que estou de fita. E ainda carrego aquela falsa sensação de que talvez no Brasil seria melhor, simplesmente porque o pré natal é com o médico. Incrível como a gente continua endeusando os nossos “doutores”.

Eu não dei trégua para minha parteira, liguei para ela, dei um jeito de conversar um pouco e no nosso segundo encontro já me sentia mais tranquila. Mas eu também segui os conselhos dela e gastei muito tempo dividindo minhas dúvidas com amigas, tanto as que não são mães ainda – obrigada por me emprestarem seus ouvidos; assim como caí na carne da Cíntia, do blog Minha Aquarela. Nada melhor do que encontrar alguém que curte falar sobre suas experiências na montanha russa da vida materna para poder fazer um longo papo furado. Além disso, a Cíntia me indicou uma porrada de blogs maternos – eis aí o porque de eu não comentar mais ninguém, estou consumindo tudo que posso a respeito de gravidez e mães de primeira viagem. E mais uma vez, eu amo o cara que inventou o skype!

São realizados dois controles pela parteira antes do ultrassom, ou seja, antes da 18a semana. Como eu descobri minha gravidez cedo, esses dois encontros já se foram há tempos. Enquanto meu ultrassom não chega, também não vou ver a parteira – a menos que eu apresente algum sinal estranho. E isso é bárbaro demais: como é que eu vou saber? Para mim tudo é novo e estranho agora. É lindo, mas super estranho. Mulheres grávidas não estão doentes (é bom ser relembrada Manoel) mas eu fui contaminada pelo medo absurdo que as pessoas tem aqui de que a gravidez talvez não vai vingar, que a primeira gestação é comum acabar em aborto. E se eu precisar de atendimento de emergência não vai ser minha parteira legal me esperando com sua simpatia e tranquilidade, e sim qualquer outra enfermeira bruxa pronta para me acusar de que estou exagerando, devia ter tomado alvedon e ficado em casa.

Fiquei mais aliviada quando completei a 12a semana mas ainda assim, eu queria muito estar “em casa” agora e me sentir mais envolvida por um clima mais leve e de felicidade em torno da gestação. Definitivamente, quando se trata de saúde, eu não me sinto bem vinda aqui.

Só por Deus mesmo.

Pré Natal na Suécia – I

Fonte: Google

Fonte: Google

Desde que mudei para cá sempre ouvi dois extremos a respeito de ter filhos na Suécia: há aquelas pessoas que dizem que não podiam ter imaginado um atendimento melhor, assim como há aquelas que reclamam de tudo (tudo mesmo) relacionado ao acompanhamento da mulher e do bebê, principalmente na hora do parto.

Eu nunca tive filho no Brasil, minha irmã teve crianças a long time ago e eu não acompanhei de perto as gestações das pessoas mais próximas que tiveram bebê nos meus últimos anos no Brasil. Além disso, já fazem quase três anos desde que eu deixei a minha terra e, por todo o tempo em que lá morei, nunca havia ouvido falar em violência obstétrica, por exemplo. Se você quer saber mais sobre esse tipo de violência, pode assistir ao documentário “A dor além do parto” – disponível no You Tube.

Daí que, mudando para a Suécia, me deparo descobrindo essa questão (da violência obstétrica no Brasil) e com ela vem a informação de que a Suécia é um dos países modelos em pré natal e parto humanizado no mundo (leia esse texto aqui). Bom, acho que a maioria das mulheres que participa de comunidades de brasileiros na Suécia não sabe ou não concorda com essa informação e eu, bem, ainda estou bem no início dessa minha jornada como grávida e futura mãe, por isso não sei bem ao certo o que pensar. Em todo o caso, pelo que conheço do sistema no Brasil, o sistema de pré natal é muito diferente aqui na Suécia. Só para deixar claro, a minha intenção não é estabelecer um juízo de valor (quem é melhor, a Suécia ou o Brasil) porque definitivamente, eu não tive filho no Brasil e por isso não posso comparar uma e outra experiência. Além disso, acho que a experiência de ser mãe no Brasil deve ser muito diferente lá no Amazonas do que é em São Paulo, na rede particular ou pública de saúde, com todos os prós e contras com que cada situação envolve.

Aos fatos: a Suécia tem um centro de atendimento de saúde da mulher chamado Mödervårdcentralen. Esses centros contam com uma espécie de enfermeira parteira, que tem o título de barnmorska (eu digo barnmoça por brincadeira, fica bem próximo a pronúncia do nome correto) que faz o acompanhamento de mulheres nos casos de planejamento familiar, exames relacionados a saúde da mulher, pré natal e pós natal (não sei exatamente até quantos meses da vida do bebê). Eu vou chamá-las aqui simplesmente de parteiras, mas é importante lembrar que o conceito de parteira na Suécia não é o mesmo daquele das parteiras das regiões menos favorecidas do Brasil. Não que eu ache que aquelas mulheres parteiras do interior sejam menos do que as parteiras suecas,  só que é importante informar que ser parteira na Suécia é uma profissão que exige formação universitária (enfermagem+especialização).

Quando eu descobri que estava grávida liguei para esse centro de saúde da mulher (vou abreviar para CSM) para marcar um encontro com a parteira. Tive que esperar três semanas porque a primeira “consulta” não é realizada antes que a mulher complete a 8a semana. Eu sou péssima com essa coisa de contar as semanas, até hoje me embanano toda, só sei que eu fiquei super ansiosa. Eu queria encontrar alguém, falar com uma pessoa entendida do assunto, contar a minha felicidade, meus medos, trocar figurinhas sobre qualquer coisa. Me senti super no vácuo. Acho que é esse excitamento de mãe de primeira viagem, mas eu sei lá… nesse momento eu comecei a sentir um choque cultural muito grande porque eu queria muito ir ao médico e tirar essas dúvidas, falar sobre meu bebê e me sentir tranquilizada a respeito de coisas bobas que passam pela cabeça da gente.

É claro que na Suécia também há a opção do atendimento na rede privada de saúde. É um pouco complicado de entender, porque o atendimento público de saúde na Suécia também é privado, ao menos, os postos de saúde normais são: você paga uma taxa para ir ao médico. Não é o valor da consulta integral (que seriam 300 coroas no caso de clínico geral, no mínimo 700 coroas quando um especialista), mas a consulta não é gratuita. No caso dos CSM as consultas são gratuitas e eu não sei explicar se eles são totalmente subvencionados, totalmente públicos, ou se é pelo fato de que os CSM públicos não contam com médicos mas sim uma equipe formada por parteiras, enfermeiras, psicólogas e assistentes sociais. Em todo o caso, há CSM privados. A diferença: você paga, e eles contam com um médico e aparelho de ultrassom.

Conversamos aqui em casa sobre isso, sobre talvez migrar para um CSM privado. Em teoria, é melhor. Mas eu não estou certa, só ouvi uma pessoa falando sobre isso e é claro que ela falou maravilhas; mas não é todo mundo que tem coragem de reconhecer que trocou merda por bosta (ainda mais quando paga). Pra mim, atendimento particular no Brasil nunca foi aquele “ohhh, que maravilha!”. Depois, eu acho errado pagar por um serviço que deve ser gratuito afinal, eu pago impostos nesse país, não vou pagar duplamente por algo que eu considero já ter pago. Assim fica meio fácil o governo recolher impostos mas oferecer um serviço meia boca, já que ninguém usa. Eu acho melhor usar e ajudar a fortalecer e melhorar o sistema que é para todos.

Mas voltando a questão do ultrassom… por meio dos CSM públicos você tem direito a apenas um ultrassom durante a gravidez, na 18a semana. A não ser que a mulher apresente algum tipo de complicação, dor ou suspeita com relação a gestação, não serão feitos outros exames de ultrassom durante a gravidez. Nem mesmo próximo ao parto, se a parteira tiver certeza que a criança está de ponta cabeça e encaixada eles não fazem ultrassom. Já nas clínicas particulares é diferente: a mãe pode pedir ultrassom sempre que estiver preocupada e quiser checar o bebê (e mais uma vez, você paga por isso).

Quando a minha parteira me informou essa questão do ultrassom eu fiquei meio preocupada. Não sou a favor de ultrassom em 3D, e penso mesmo que ficar espiando a criança o tempo inteiro é uma coisa desnecessária, mas tanto no início da gravidez quanto no término acho que não seria demais não. Além disso, a parteira me disse que o ultrassom faz mal a criança e eu fui pesquisar na internet mas não achei nada. É claro que eu não estou dizendo que ela – que estudou quase cinco anos para chegar onde chegou – está de conversa mole comigo, mas eu se for comparar com o caso do meu anticoncepcional então, o que é que é para mim pensar? Tipo, eu estava tomando um anticoncepcional recomendado pela parteira que é potencialmente perigoso (tá até no google). Todo medicamento é, mas ela não me disse que eu podia ter os efeitos colaterais que eu tive. E então ela me diz que ultrassom faz mal a criança, e o único estudo que comprova que ultrassom tem efeito colateral foi realizado na Inglaterra e mostra que criança expostas longamente ao ultrassom tendem a nascer canhotas. Algum problema em ser canhoto? Países como Alemanha (que também são primeiro mundo) oferecem mais de um ultrassom durante a gestação.

Eu acabei por fazer um ultrassom porque tive aquela crise renal. Foi um bônus, e eu tenho que admitir que fiquei muito mais tranquila depois de ver o meu bebê lá, mesmo que por poucos segundos, e ouvir a médica dizer que meu útero estava bonitinho e que não havia nada de errado – pelo menos não até aquele momento. O fato de o ultrassom ser realizado durante a 18a semana de gestação tem um propósito bem claro: o médico vai checar a fundo o desenvolvimento da criança, tanto o interno, quanto o externo. Nessa altura da gestação a maioria dos órgãos já está formada e só falta mesmo se fortalecer, como é o caso dos pulmões. O coração já bate desde a segunda/terceira semana de vida. Nessa fase é possível identificar algum tipo de má formação dos órgãos, ossos, coluna, etc.

Algumas pessoas entendem que esse ultrassom é um fator decisivo para o interrompimento da gestação, afinal, a mãe pode solicitar a permissão para abortar depois da 18a semana se identificar alguma má formação no feto. Nessa mesma semana, mães com mais de 35 anos podem realizar gratuitamente testes cromossômicos no bebê, do tipo que apresentam a possibilidade da criança ter Síndrome de Down por exemplo. Eu recebi um panfleto explicativo durante a minha primeira conversa com a barnmorska com informações sobre o procedimento, sobre o significado dos resultados e com alguns links para que os pais pudessem ler mais sobre “o que significa ter uma criança deficiente”. Apesar de não ter 35 anos eu posso realizar os mesmos exames mediante o pagamento de uma taxa de 1500 coroas, mas eu decidi deixar para lá. Depois de trabalhar por quase dois anos com uma criança deficiente eu sei muito bem o que isso significa, e também sei que não seria motivo suficiente para que eu decidisse abortar. No fim, essa é uma informação que não me interessa; e eu vou fazer apenas o ultrassom mesmo, lá na 18a semana.

Até lá, fico aqui ainda meio que roendo as unhas. Não por falta de ultrassom, mas porque acho que falta apoio mesmo.

Tenho mais o que falar sobre o pré natal na Suécia, apenas decidi dividir a informação em vários  posts porque afinal, é tanto!

Pequenas Grandes Coisas da Minha Vida Sueca #29

Eu já falei que esse mês completei dois anos e meio de Suécia?

Eu já disse também que parecem mais com duas décadas e meia?

Ok. Ontem voltei a escola e, como eu sempre fiz, quero reclamar. Sim, é da minha natureza ser uma chorona e outra, se eu não reclamar, vão achar que tudo por aqui é muito fácil. E é fácil, se você tem cabelos loiros e olhos azuis e sangue sueco e fala sueco desde o nascimento e… bom, chega de me fazer de coitada.

Tenho que estudar mais sueco e mais inglês para poder entrar na universidade. Por causa de falta de atenção (yes, it was my fault) eu não estudei inglês lado a lado com sueco e acabei por cometer também algum erro em junho (o último junho) por causa do qual minha inscrição para os cursos que eu preciso nunca chegaram ao Vux. 

Mas não há problemas porque sempre há mais cursos começando dentro de um período curto de tempo. Fiz inscrição em agosto e comecei essa semana, tanto SAS 3 como Inglês 6. Além disso, aproveitei o tempo depois do passo em falso para fazer a avaliação do meu nível de inglês e, uau! Quase parei no Inglês 7. Se não fosse o quase nessa nossa vida né?

Enfim, eu acho um saco estudar inglês. E não gosto de falar inglês. Mas eu preciso um pedaço de papel que diga que eu estudei inglês suficiente para entrar na universidade. Já a questão do sueco não é tão difícil: eu gosto de falar sueco, só acho um saco ter que estudar sueco na escola.

Primeiro porque não importa se você já estudou na escola ou não, o primeiro dia de aula será de apenas uma hora e meia de enrolação. Eles vão apresentar a escola, a filosofia da escola, vão explicar porque aquela escola é a melhor de Göteborg (todas as escolas que eu já estudei – e foram três – dizem a mesma coisa) e daí explicam alguma particularidade da metodologia adotada pela escola. Na escola em que estou (ABF Vuxen) eles tem uma plataforma online com uma sala online onde o aluno tem que entregar os trabalhos. Legal né?

Sim, não fosse o caso que o primeiro dia em sala de aula, o professor repete a mesma coisa. Aí eu penso: para quê um dia de introdução sobre a escola, com power point, bla bla bla, alunos (suecos) que explicam porquê a escola é muito boa (para um monte de estrangeiros); se o professor vai repetir tudo de novo? É bom mesmo receber a informação várias vezes. E é bom que isso conta como hora-aula, afinal, estamos aprendendo MUITO com isso.

De verdade, a única coisa que achei importante depois de todo o bla bla bla informativo foi apresentarem pessoas de contato para que os alunos que tem dificuldades ou precisam de apoio extra durante o curso possam receber ajuda, tanto no sentido educacional como social (dificuldade financeira, bullying).

O que mais me incomodou foi o que o professores tocaram o terror geral ontem. Tanto na disciplina de inglês como na de sueco. As duas professoras repetiram veementemente que ninguém consegue terminar o curso em nove semanas (eu me inscrevi para um curso de nove semanas, nos dois casos). Eles dizem que são muito trabalhos (4 no curso de sueco e 7 no curso de inglês, um total de 11) e que é impossível para o aluno concluir isso em dois meses.

Eu fiquei pensando por quê? Eu vou estudar apenas inglês e sueco, nada mais. Tenho 7 dias na semana para fazer isso. O que pode ser tão terrível assim? Eu não olhei nenhum teste antigo do inglês, mas sei que gramática não é meu forte. Eu venho estudando um pouco ali e outro aqui desde que soube que teria que fazer o curso. O que mais preciso melhorar, nos dois casos, é a escrita.

Cada indivíduo tem uma realidade diferente, e eu sei que fica realmente difícil para quem está estudando outras disciplinas do ensino médio ao mesmo tempo. Pessoas com dificuldade de aprendizagem ou gente preguiçosa e que costuma procrastinar (eu por exemplo) tem mais problemas também. Mas… eu vou estudar apenas sueco e inglês. Apenas isso. Do total dos 11 trabalhos que preciso apresentar 3 são orais. Para mim toma o maior tempão escrever, mas no mais…

Eu não entendo. Procurei as duas professoras para conversar e disse que quero tentar terminar o curso em nove semanas. Sabe o que elas me disseram? Você não vai conseguir. Tipo, na lata. A professora de sueco é a mesma do SAS 1 (aquela que eu gostava) mas a do inglês nunca me viu mais gorda. Ela não sabe quem eu sou, o que eu quero, qual a minha motivação. Aliás, nenhuma das duas sabem. Como elas podem dizer já que eu não serei capaz de concluir o curso em nove semanas? Escrevi até um post no facebook ontem dizendo que estava morrendo de saudade do meu último professor de inglês, que sempre dizia que a dedicação pessoal dá o tom do seu estudo. Quando a questão é vocabulário, não há outra forma de aprender a não ser sozinho: lendo, ouvindo música, rádio, assistindo filmes e séries na língua que você quer aprender. Escrever também depende de treino.

Eu não tenho dislexia. Eu gosto de ler. Eu odeio inglês mas preciso aquela porcaria de papel. Eu tenho boa memória. Eu tenho preguiça mas tracei uma meta! E oito semanas (essa a gente já perdeu ouvindo como a escola é boa e como os dois cursos são difíceis) para estudar. Será mesmo tão impossível?

Fiquei muito triste ontem e cansada dessa merda de ser estrangeira. A professora do sueco me disse que mesmo quem é sueco tem dificuldade em terminar o curso com uma boa nota… bem no tom do como é que você, estrangeira, vai conseguir?

Eu me sinto excluída nesse país. As pessoas colocam todos os estrangeiros dentro de um mesmo saco e acham que todo mundo tem o mesmo tipo de dificuldade. Não importa aonde: seja na busca por emprego, no trabalho ou na escola, eu sou tratada como um ser que não entende. Talvez eu não entenda mesmo, mas e daí? Até a minha capacidade de acreditar em mim mesma e tentar querem tirar de mim?

Ainda quero meu certificado em nove semanas. Se o blog ficar em silêncio, vocês já sabem porquê.

 

 

 

Histórias atrasadas e preguiça

To com preguiça de blogar, dai a falta de posts. Arrumei uma série de coisinhas para fazer, entre elas, to tricotando (eu não estou grávida), passeando, olhando bobeiras na internet (você conhece aquele canal do You Tube “All Time 10s“? E o “FailArmy“? Pois é…)… até mesmo deitar no sofá e ficar olhando o teto enquanto ouço música me dá mais tesão do que sentar na frente do note.

É, o tesão por blogar chegou próximo de zero. E o de ler o körkortsbok está em cerca de -50. Aliás, a cada semana eu prometo que vou fazer o teste na semana que vem, e cada “semana que vem” eu repito a mesma coisa. Minha procrastinação chegou a níveis medonhos. Mas voltei a ler as leis sociais suecas comentadas… ok, uma página por dia é melhor do que nenhuma e, como o livro parece uma bíblia, acho até que faz sentido.

Semana passada assisti Elysium no cinema. Curti. Muito. Mas o filme me deu um sentimento terrível de tristeza. Eu to muito boba. Ou muito esperta, ainda não consegui entender. Em todo o caso, desde que parei de tomar anticoncepcionais to sentindo meu corpo e a montanha russa emocional com uma clareza sinistra. Há coisas muito bobas que me fazem rir muito e me sentir extremamente feliz. O drama é que o contrário também é verdadeiro. Já viu alguém assistir uma ficção científica e ficar triste? Até parece que não faz sentido, mas se eu encontrar o meu tesão de blogar por aí eu escrevo porque o filme me deixou com uma tristeza tão pesada num texto cheio de spoilers da trama. Há, eu sou má.

A propósito, se alguém encontrar o meu tesão de blogar por aí, favor mande um alô que eu mando o endereço para postagem. Grata.

Dentre as palhaçadas que já andei fazendo, não sei como é que não enviei a minha matrícula para o curso de Sueco como Segunda Língua 3 (SAS 3) e o inglês. No fim das contas, tudo bem, eu não tava tão afim assim de estudar, nem um e nem outro. Mas não dá mais para protelar.

To saindo para fazer uma provinha que vai definir em que nível de inglês eu posso começar. Mesmo que eu já saiba a resposta, vai que eu tenha uma surpresa? Sonhei com essa merda a noite e, no meu sonho, a prova tinha hieroglifos.

Desejem-me sorte!

 

Ai, seu eu tivesse o gênio da lâmpada…

Voltei a procurar trabalho.

Já me frustrei, tendo trabalhado com isso apenas poucos dias, o suficiente para querer deixar de lado.

Há vagas. De certa forma, há muitas vagas: só na minha região, 55 vagas estão abertas segundo o A. Os critérios de admissão não são muito difíceis de se alcançar, ao menos, pelo que parece não deveriam ser. Como eu já comentei em outros carnavais, algumas vagas exigem formação em terapia familiar ou algum tipo de psicoterapia. Ok, eu tiro essas vagas de lado. Vagas que exigem dois anos ou mais de experiência também vão parar numa pasta chamada “não adianta bater nessa porta”. Conversando com alguns colegas de trabalho fui orientada a procurar emprego dentro da área de “ekonomiskt bistånd” (ajuda ecônimica, pra simplificar), que seria a área aonde mais ou menos todo mundo começa e que é mais fácil de entrar. Há nove vagas na minha região, sendo que cinco estão em Göteborg ou cidades próximas. Das vagas em aberto, cerca de 10% são aquelas em que eu posso aplicar…

Não tem como não me sentir pessimista. Eu já vi esse filme antes. Junto comigo devem ter pelo menos mais 80 assistentes sociais fresquinhas saídas da Universidade de Gotemburgo querendo estas cinco vagas. Qual será o currículo da estrangeira que será deixado de lado primeiro?

To tentando ligar para esse pessoal e ver se consigo pelo menos uma brecha para um estágio. Quem sabe assim, eu consigo entrar. Já falei com várias secretárias eletrônicas. Isso é desanimador…

No mais, fico aqui quebrando a cuca pra tentar escrever uma carta de apresentação que faça o pessoal se sentir interessado em mim. Eu já tentei várias versões: falar da minha experiência no Brasil, da minha experiência aqui, falar das duas coisas, só falar que eu sou supimpa; mas acho que não funcionou. Nem fui convocada para uma entrevista. Se eu tivesse um gênio da lâmpada perguntaria a ele o que o pessoal tá afim de ler numa dessas cartas de apresentação, porque eu tenho carisma e se fosse chamada para uma entrevista teria grandes chances.

Alguém aí do outro lado tem um gênio disponível? Prometo devolver em 24h.

Fim de férias

As férias já acabaram e a minha família volta para o Brasil essa semana. Eu tenho aquela sensação de que tudo foi tão rápido que eu nem consegui entender o que estava acontecendo.

E não consigo mesmo: como meus pais são um pedaço do Brasil, é difícil entender que eles estão aqui na Suécia. É uma surpresa boa ter eles por perto, como se a cada momento eles estivessem chegando outra vez. Mas eu sinto aquela falta, um vazio esquisito porque todos os meus irmãos não estão aqui também; dá uma pontinha de tristeza o fato de que nem minha irmã mais velha e nem meu irmão mais novo estiveram aqui com a gente nesse período. Sorte que ao menos a Ana está enchendo as minhas orelhas!

Famiage em visita ao aquaduto de Håverud

Famiage em visita ao aquaduto de Håverud

Em direção a Dinamarca.

Em direção a Dinamarca.

Mostrei um pouco da cidade para eles e levei a família Buscapé para aqueles programas de índio típicos de turistas… bom, nem tão típicos assim, afinal, eu nem tinha feito muitas dessas coisas. Ou melhor, algumas delas sim. Sorte que eu tenho uma amiga que sabe tudo sobre os melhores passeios de Göteborg, né Vânia? Quando o calo apertou, eu liguei na cara dura… Andamos de barco, trem, carro, a pé (cansei o povo!); e já que o negócio era para cansar, levei a galera para nadar e até minha mãe se astreveu a entrar na água fria do lago – o verão foi maravilhoso de quente então, foi quase tudo bem. Todo mundo entrou na dança da toalha – aquela em que a gente faz umas manobras engraçadas para trocar de roupa em público sem mostrar as vergonhas…

Agora, se perguntarem para minha irmã o que ela achou mais legal, ela responde com uma só palavra: Liseberg. Eu tenho medo de altura mas não pude me safar… ao menos não de alguns brinquedos. Passei uma semana rouca de tanta que gritei no Kanonen.

Olha minha felicidade na roda gigante. São "só" 60 metros de altura...

Olha minha felicidade na roda gigante. São “só” 60 metros de altura…

Nessa maravilhosa bagunça me perdi, afinal muita coisa aconteceu nesse mês e o blog ficou realmente de lado… tenho dois episódios do Alfons na pasta de rascunhos. Haha! É mole? A menina escreve os posts e ainda nem publica! Eu tenho problemas… principalmente porque eu gosto de responder aos comentários, e como eu não tinha tempo de acessar o blog, o trem foi acumulando… desisti de postar porque eu não podia responder os coments.

Acumularam-se também e-mails com perguntas diversas a respeito da vida na Suécia. Assim que eu me achar eu respondo e também vou partilhando as respostas e incluindo no Leia antes de perguntar. Aliás, tem muita gente que lê a seção e depois me direciona perguntas específicas, fazendo piadinhas a respeito das minhas respostas. Hahaha! Eu acho um barato… tenho leitores muito bem humorados! Obrigada! Mas eu também recebi um par de e-mails de gente que começa com: “eu já li o leia antes de perguntar mas, como é que eu faço para tirar visto de turista para a Suécia?”. Meu amigo… você ficará no vácuo eterno, só para avisar. Ainda assim, obrigado a todos os preguiçosos e engraçadinhos, todo mundo que veio parar aqui sem querer e os leitores de carteirinha (uhuu). Até no meu casamento brincaram com o fato de eu ter um blogue e eu descobri que um grupo de pelos menos 30 pessoas usam o Google translate para tentar acompanhar minhas baboseiras… muito bacana!

Eu tenho que tirar o chapéu para a suecada. Não porque eles seguem meu blog mas porque desde que mudei não paro de me surpreender com a generosidade deles. A primeira coisa que eu disse para o Joel quando ele propôs a mudança foi que ficaríamos isolados. Uma, que a casa precisa de reformas e temos trabalho de sobra… outra, que fica mais longe da cidade e aí ninguém apareceria para dizer um oi. Ledo engano! Por causa do lago que fica aqui perto sempre temos visitas, gente que para só para dizer “oi, estamos indo para o lago, vocês vem também?” ou “fomos nadar no lago, e passamos para dar um olá!”; outros amigos do Joel que ligam porque querem ajudar com as reformas… Sueco é mesmo chegado nessa coisa do faça por si mesmo, e se não tem nada para ele fazer por si mesmo então ele quer ajudar um amigo que tem o que fazer para poder aprender no caso de, sei lá né?, no futuro mudar para uma casa que precise de reformas e então já saber o que fazer e quais amigos chamar para a empreitada.

Além disso, a generosidade deles no casamento me deixou embasbacada: emprestaram o carro para gente transportar para lá e para cá bebidas, o som, os tereco-tecos para a decoração; apareceram no dia antes para ajudar a preparar o local; juntaram todas as coisas no pós festa para os noivos – nós – poderem curtir… Eu sempre imaginei que receberia alguma homenagem das gurias mais chegadas, mas para minha surpresa muitos amigos do Joel me prestaram homenagens durante o jantar e me fizeram ficar com lágrimas nos olhos (eu só não pareço supimpa gente, eu sou supimpa, pergunte para o povo daqui!) e me sentindo a última bolacha do pacote. Eles também nos deram presentes maravilhosos – fora alguém que quis brincar e nos mandou uma galinha “decorativa” em tamanho real. Sei lá se o cartão se perdeu ou se a pessoa nem pensou em por o cartão ou estava com muita vergonha para assumir, mas ainda não descobri quem foi o engraçadinho (se é alguém que lê o blog, me conte por favor para quê serve aquela galinha!?).

Para a Páscoa?

Para a Páscoa?

Falando em presentes, obrigada Angela e Dani pelos presentes de além mar. E tia Tere, vamos usar o seu presente para viajar!

Eu ainda tô boba demais com essa história do casório, ou melhor, mais boba do que o normal. Vou demorar pra pisar no chão. Só consigo pensar nisso. Melhor parar com a babação… quando eu me acalmar eu faço um post contando como é que foi que fiz a decoração no melhor estilo faça você mesmo (com a ajuda das amigas, é claro), além de outras curiosidades.

A  gente se vê em breve!

Uma coisa nova, uma coisa velha…

Uma coisa que ganhei, algo que emprestei… algo roubado e algo azul!

Eu podia contar tim tim por tim tim como foi o dia do meu casamento mas acho que o vídeo por si mostra bastante. Além do mais, seria difícil encontrar as palavras certas… e se eu dissesse que foi tudo o que sonhei, estaria mentindo. Descaradamente.

As duas últimas semanas antes do casamento eu fui dominada por um sentimento de “oh my gosh, tomara que esse dia chegue logo e acabe!”. Não era pânico por conta de coisas a fazer para o casório – essa parte foi bem divertida – ou a preocupação em me apresentar assim ou assado; foi só o sentimento puro e genuíno do “eu não aguento mais esperar” somado a  uma pontinha de pessimismo (sim, eu já contei que sou pessimista) e saco cheio. Tem muita gente chegando para você às vésperas do casamento para dizer como é que tudo tem que acontecer. E tem aqueles que querem gentilmente te lembrar das coisas que você esqueceu. E do que é importante – normalmente aquelas coisas esquisitas que aparecem em revistas e nem de longe são importantes…

Apesar de todo o sentimento negativo das semanas anteriores, todo o stress (sim, apesar de ser um dia lindo é também uma data estressante), eu liguei o foda-se na manhã do casório e decidi que esse era o dia de viver meu casamento do jeito que ele fosse. A chuva torrencial que despencou em Göteborg logo cedo quase me desanimou mas, não é a toa que eu sou apaixonada pelo meu marido… ele soube levantar meu astral e a partir daí… foi só festa até a madrugada do domingo. Chorei a cerimônia toda (de felicidade, obviamente) e ri até ter dor nas bochechas durante a festa. Até rolou uma festa de verdade no final de tudo – coisa extremamente escassa na Suécia. Na verdade, o povo só foi embora mesmo e parou de chacoalhar o esqueleto porque fomos obrigados a mandá-los embora – literalmente. Triste, mas a locação do espaço tinha hora específica para acabar – e a pontualidade sueca não perdoa nem casamento.

Foi um dos dias mais maravilhosos da minha vida. Sempre vou lembrar com carinho de cada pessoa que me prestou homenagens, e acima de tudo, daqueles que ajudaram a fazer a festa possível… eu tive muita ajuda de pessoas maravilhosas que cuidaram de mim e me ajudaram com grandes e pequenas coisas.

O vestido, os brincos, os arranjos de cabelo eram novos.

Meu anel de noivado foi da avó do Joel, tem quase 60 anos.

Usei um sapato que ganhei das minhas amigas queridas, no Brasil, no ano em que visitei a Suécia pela primeira vez.

O véu foi emprestado por uma pessoa querida que conheci durante o primeiro verão que passei aqui.

Roubei as atenções no dia da festa. Sem falsa modéstia, eu já sou linda, mas no dia do casório estive deslumbrante. Meu marido também estava lindo, mas teve gente que duvidou que eu fosse aquela noiva. Haha! Também aproveitei para “roubar” todos os abraços que normalmente o povo acha estranho te dar – sueco fica muito satisfeito com um aperto de mão, mas eu não. Abracei com fé e vontade!

Por fim, ganhei o buquê da minha melhor amiga. E ele era feito de hortênsias azuis!

Desde 27 de julho sou oficialmente Fru Maria Helena Abrahamsson (fru=esposa. Nesse caso eu também traduzo literalmente como dona).

Chique né?

igreja

Ps.: Se você está pensando que será que fez essas fotos maravilhosas e esse vídeo lindo, preciso contar – para felicidade dos suecos e tristeza dos brasileiros – que ela mora em Stockholm. A Maíra não é danada de tão talentosa que é? Você encontra ela aqui.

Riskutbildning

Riskutbildning é o nome dos cursos obrigatórios que você tem de frequentar antes de fazer a prova teórica e prática para tirar carteira de habilitação sueca. Eu falei um pouco de como é que o processo funciona (e quanto custa) no post dirigir na Suécia. Mas vamos de um resuminho: pra quem já sabe dirigir ou quer regularizar sua carteira na Suécia há alguns passos obrigatórios, sendo eles a solicitação do körkortstillstånde, a participação nos cursos sobre riskutbildning 1 e 2, aprovação na prova teórica, e finalmente, a aprovação na prova prática.

Eu solicitei o meu körkorttillstånde (permissão para a carteira de habilitação) no fim de março com o intuito de ter a carteira de habilitação em mãos no mais tardar em maio. Haha. Enrolada como sou, participei do riskutibildning 1 e depois… aff! Mudamos, eu comecei a trabalhar a noite, e eu não conseguia arrumar o livro para ler a teoria… desculpas e mais desculpas, acabei fazendo o risk tvån ou halkbanan somente hoje.

O riskutbildning 1 (que pode ser traduzido de forma livre como “curso de direção defensiva”ou risk= risco, utbildning= educação, curso) é principalmente sobre a importância de ser um motorista consciente. Na Suécia a educação no trânsito é bastante dura contra os motoristas e as pessoas aprendem desde crianças que ter um carro não significa ser o dono da rua e que normas de trânsito devem ser respeitadas. Na Suécia não há estradas onde a velocidade dos carros é livre, como na Alemanha. As maiores rodovias suecas tem velocidade controlada, e a máxima permitida é 120km.

(Volvo e SAAB – indústrias de carros originalmente suecas – são conhecidas como as marcas de carros mais seguras do mundo. Além disso, o cinto de segurança de três pontas foi desenvolvido aqui).

No risk 1 ouvi muito a respeito de como evitar situações de risco ao volante, sendo que é bastante frisada a importância de realizar manutenção constante no veículo, a importância de respeitar a velocidade máxima permitida em cada local, a importância de dirigir sóbrio e descansado, entre outras. Eu lembro de que quando fiz o curso teórico para minha habilitação no Brasil falamos um pouco sobre direção defensiva. Mas no Brasil ainda impera aquela cultura de que “os outros nunca sabem dirigir, só eu é que sei” – totalmente o inverso da cultura pregada aqui na Suécia. Durante o curso do risk 1 a instrutora de trânsito repetiu insistentemente que o melhor motorista é aquele que reconhece que não sabe dirigir e por isso mantêm-se constantemente alerta ao veículo, ao que acontece ao ser redor e as leis de trânsito.

Algumas curiosidades (dados estatísticos aquiaqui):

–  na Suécia o próprio governo verifica os carros dos cidadãos a cada dois anos. Se seu carro tem problemas você é proibido de usá-lo até que o mesmo seja reparado e passe por novo controle. Esse controle é chamado de bilbesiktning;

– 0,0002% é a quantidade máxima de álcool no sangue permitida para que o motorista não perca a carteira e receba uma multa enorme. Em sueco, diz-se 0.2 promille. Um promille é igual a uma milésima parte. Pelo que vi no Brasil há uma lei em andamento (ou a lei já foi aprovada?) para que seja exigido do motorista 0% de álcool no sangue. Seria bom pois a legislação de trânsito atual (?) permite 6 decigramas – o que seriam 0.6 promille.

– se os suecos saem de carro para festar normalmente rola um sorteio a respeito de quem é que vai ficar sem beber. Ainda assim, muitos acidentes acontecem por causa do álcool e o fim de semana mais perigoso do ano no quesito álcool+direção é o feriado do midsommar.

– um terço dos motoristas que são pegos bêbados ao volante tem entre 18 e 24 anos; 30% das mortes provocadas por acidentes de trânsito envolvem um motorista alcoolizado e estima-se que, na Suécia, cerca de 525 pessoas dirijam bêbadas por hora.

– em 2012, 286 pessoas morreram em acidentes de trânsito na Suécia – isso mesmo: duzentos e oitenta e seis – e 2976 pessoas sofreram ferimentos graves. A Suécia tem 9 milhões de habitantes, lembram?

Enfim, acho que uma das coisas que ajudam o motorista sueco a ser mais consciente é o curso que participei hoje, também conhecido como halkbana – pista de escorregar. Adivinhem? É muito legal! Apesar de ter carteira desde os meus 20 anos (Jesus, eu tenho carteira há quase 10 anos!) eu nunca tive a oportunidade de aprender, na prática, o que acontece com um carro se frearmos de soco ou se encontramos uma pista molhada. Também não gostaria de ter passado por uma experiência dessas, afinal, se não passamos por isso em condições controladas deve ser traumático.

Na auto escola recebemos uma introdução sobre as atividades do dia e uma reforçada nas questões de segurança. O curso não é avaliativo, mas se você se comportar como um idiota eles te mandam embora e você só pode participar outra vez desembolsando mais 1900sek (cerca de R$600). A introdução é muito interessante, e eu aprendi por exemplo que a nossa cabeça pesa – em mádia – 4kg e que em um acidente a 50km por hora o impacto faz com que ela tenha um peso de 160kg. Dá para entender porque gente morre quebrando o pescoço quando estava a “apenas” 50km/h. Se você passou por uma situação como essa e continua caminhando e respirando, ou você é um sujeito de extrema sorte ou um cabeça oca! :P

Entrei no carro com um friozinho na barriga, confesso. A gente fica sozinho no veículo e vamos sendo orientados por rádio. São cinco pistas diferentes – quatro no “molhado” e uma no seco – e em cada uma delas fazemos um tipo de experiência. A ordem do dia era: acelerar até a velocidade orientada (máx. de 70 por hora) e frear de soco.

Das cinco pistas, em 4 delas simulamos situações de: apareceu um alce no meio da pista com gelo ou molhada, então o que acontece se eu frear de soco?; há uma fila de carros, pista com gelo/molhada, o que acontece; um ônibus parou a minha frente – blábláblá, ou simplesmente, freie para ver quantos metros depois de frear você finalmente para numa pista seca. Em uma das simulações entramos num “redondo” molhado, lá a velocidade é livre para você entender o que acontece se você dirige muito rápido em uma curva escorregadia ou em dia de chuva.

Halkbana é mais ou menos assim (fonte: Auto Escola Gävleborgs)

Halkbana é mais ou menos assim (fonte: Auto Escola Gävleborgs)

Bom, eu me sai bem e me diverti para caramba. A primeira vez em cada pista sempre somos orientados a alcançar a velocidade máxima de 35km/h e então frear – há cones demonstrando onde devemos meter o pé no freio. E não é para ser carinhoso não, é pra sentar o pé no assoalho do carro, de modo que você sinta todo o carro tremendo e o abs comendo nas rodas. A 35km/h é fixinha e o carro obedece pianinho, mas a 60km/h e 70km/h… rodei na pista três vezes, em uma delas o carro deu duas voltas antes de eu conseguir parar – nem dá para pensar em “retomar o controle”. Se fosse na realidade, teria batido na fila de carros, na bunda do ônibus e atropelado o alce. O foda é que, em caso de atropelar o bicho, você tem que ligar para a polícia que vem sacrificar o animal e sabem do quê? Você nem tem direito a levar um pedaço da “delícia” para fazer um churrascão… eu sei que soa sinistro, mas carnívora que sou não pude deixar de perguntar – o que fez todo mundo rir do meu desapontamento, obviamente.

Depois de girar e escorregar valendo na pista molhada é bem esquisito frear o carro na pista seca – a diferença é brutal. Na pista molhada e com uma velocidade de 40km/h paramos o carro somente cerca de 40 metros depois de começar a frear. Em uma pista seca essa distância não chega a 10 metros. Quando dirigi a 70km por hora o carro parou a quase 90 metros depois de eu começar a frear, sendo que em pista seca essa distância foi de aproximadamente 20m. No redondo, eu só não girei o carro quando estava a menos de 30km/h – e nem venha me chamar de barbeira, porque o instrutor me elogiou e disse que tenho bom senso de manobra.

Algumas dicas valiosas:

– no caso de um alce aparecer no meio de seu caminho, mire na bunda do animal e suas chances de sobreviver são maiores.

– no caso de atropelar porcos selvagens não abandone o veículo porque eles se tornam agressivos.

– não desvie de veados, raposas e animais pequenos. Infelizmente, tentar não atropelá-los é mais perigoso do que simplesmente prosseguir.

– ligue para a polícia se você atropelou um animal que não morreu e permaneça no local. Como eu falei, nada de churrasco de alce ou guisado de veado, mas se você simplesmente vai embora pode perder a carteira de habilitação. Fique onde o acidente aconteceu e diga para a polícia para que lado da estrada o bicho foi. Só depois vá embora.

Por fim, na Suécia o motorista nunca tem razão. E isso seria bom que todos nós pudéssemos aprender.

Pequenas Grandes Coisas da Minha Vida Sueca #27

Algumas atualizações rápidas e rasteiras.

Devido aos milhares de nove pedidos para que eu não feche o blog agora, vou continuar postando meus blá blá blás e desabafos da madrugada, ao menos, for a while. Eu realmente não gosto dessa coisa de blogar pela metade e é assim que me sinto ultimamente: não consigo terminar alguns rascunhos de há muito tempo, teve gente que me pediu mais dicas para estudar sueco, não respondo os coments. Ultimamente me sinto fazendo muita coisa pela metade e isso prova que estou abraçando mais do que posso dar conta. E meu tempo voa! Preciso no mínimo de duas horas para cada post. Och det är mitt fel – a culpa é minha. Eu gostaria de ser uma pessoa  que não cobra tanto de si mesma e que simplesmente posta uma foto do cachorro e voilá! bloguei. Antes que alguém fique brabo, não tenho nada contra gente que posta três linhas e acho mesmo é que essas pessoas é que são felizes. É que eu não consigo, primeiro porque não sei tirar fotos decentes e segundo, não me dou essa liberdade. Comecei o post dizendo que seriam atualizações rápidas e rasteiras mas dá uma olhada para esse parágrafo?

Falando em gente que está a caça de dicas de sueco, deem uma passada no blog da Rúbia – Carioca da Clara Suecando. Quem quiser uns áudios de sueco deixe um comentário com o nome do usuário da conta do Drop Box que eu compartilho; é o melhor que posso fazer por enquanto.

E falando em estudar, recebi a resposta sobre a minha candidatura para o mestrado e começo a estudar em agosto. Inglês. Como eu já suspeitava, meu inglês foi considerado insuficiente – não há o que chorar, é verdade; e antes que eu alcance o nível Engelska 6 posso esquecer a universidade. Sinceramente, me deu quase um alívio: eu realmente não tô afim de cursar universidade agora, ainda me sinto muito insegura com meu sueco e sendo assim, com sueco mais ou menos e inglês mais ou menos eu só sofreria. A gente já recebe muita merda nessa vida de graça, eu não preciso adicionar umas pitadas a mais, obrigada. E aproveitando o ensejo e para evitar futuras surpresas vou estudar o SAS 3 também. Espero que… nem vou esperar nada.

Depois de muita enrolação faço o segundo curso obrigatório para a carteira de habilitação semana que vem. Pra quem queria fazer a carteira em um mês e começou em março… tá longe ainda. Mas estou estudando o livro teórico – körkorts… alguma coisa. E nessas horas é que dá para perceber o quanto meu vocabulário em sueco é pequeno; pá… são muitas palavras que eu não tenho a menor ideia do que significam. Tenho que ler mais e ouvir mais rádio.

Agora tenho um carro no meu nome porque o seguro é mais barato. Estatisticamente, mulheres são muito mais cuidadosas no trânsito do que os homens, apesar de que comprovadamente eles são melhores na hora de estacionar.

Continuamos trabalhando a todo o vapor com a casa e quase todo dia vem gente ajudar. Uma das coisas que me deu medo quando o Joel disse que queria mudar para o “campo” foi que a gente ficaria isolado. É verdade que alguns amigos que víamos antes agora a gente não vê com tanta frequência, mas de outro lado a casa está sempre cheia. Cheia de gente e cheia de coisas a fazer. E esse é um dos pontos em que tenho que aprender a relaxar…

Cuidar de uma casa de quase 100 metros quadrados não é mesmo que cuidar de um apê de quarenta. Parece que eu nunca consigo terminar de limpar a casa – e sim, agora estou falando igualzinho a minha mãe. Ainda mais com reforma e com tanta gente que vai e vem, que entra e sai, tem dias que eu simplesmente me pergunto de onde vem tanto pó se nesse país chove quase todo dia?

Ok, eu não vou reclamar do clima não porque apesar de frio – as temperaturas estão na média dos 15 graus C – os dias estão ensolarados e se não venta dá para se esbaldar no sol de camiseta. E os dias estão super claros, com luz do sol até quase meia noite e o dia começando a despontar as 2h30m, 3h da matina. Isso dá um pique de deixar tudo bonito: tirar as teias de aranha, plantar flores, trocar as cortinas…

Me empolguei tanto que até fiz aqueles cartões de clientes tanto no Ikea como na Class Olsson. E uma lista! Que será providenciada aos poucos afinal, não há salário que aguente quando se é substituto.

Falando em emprego… conversei com minha handläggare sobre a nossa relação por cartas. Ela me disse apenas que está seguindo o protocolo e… cara, eu tenho muita dó de todo mundo que está inscrito no A. Se o protocolo deles é desse nível, não é de se estranhar que muito poucos estrangeiros tenham emprego. E aquele relatório que ela disse que eu teria que enviar, eu entendi tudo errado e recebi outra bronca sutil – mas até fiquei feliz, porque dessa vez a bronca veio por e-mail. Em todo o caso, dá para perceber porque eu e o A fazemos uma dupla de sucesso: eles com um protocolo super moderno e eu que não entendo nada. Tenho até amanhã para enviar um novo relatório… adivinha? Nem comecei.

Parei de tomar anticoncepcional porquê mais uma vez descobri que o anticoncepcional que estou tomando é uma bomba: troquei um anticoncepcional que me fez ficar com o rosto manchado por outro que pode me dar trombose. Quem quiser ler mais sobre isso é só usar o Google e as palavras chave Yaz e trombose. 27 mulheres canadenses morreram e há indícios de que o anticoncepcional que elas usavam (Yaz) pode ser  a causa da morte – por tabela. Entre os efeitos colaterais dos anticoncepcionais da marca Bayer (Yaz e Yasmim) há o alerta sobre trombose, sendo que a vigilância sanitária – tanto nos EUA como na Europa – já vinha alertando sobre esse “detalhe” desde 2011. O que me assusta é que mesmo que as agências de controle emitam os alertas os medicamentos continuem sejam receitados.

Mas eu to bem e a vida continua, semana que vem tem Midsommar e logo logo meus pais estão aqui! Com minha irmã mais nova a tiracolo. Eu me caso mês que vem e quase nem posso acreditar que o tempo passou tão rápido. Ainda nem decidimos por completo o menu do dia porque o chef do local da festa é tão enrolado quanto eu. Nem escolhemos o bolo…

E tipo, já falei que estou com torciolo de novo? A segunda vez no último mês…

 

Pequenas Grandes Coisas da Minha Vida Sueca #26

To começando a me sentir “em casa” na casa, o fim de semana foi lindo, com sol e temperaturas mais agradáveis (tão rápido o sol se esconde a gente precisa se esconder também – a sombra ainda é gelada!) e eu aproveitei para fazer algumas coisas do lado de fora.

Não gosto de mexer com o jardim ou, ao menos, acho que não gosto e tenho certeza de que não gosto de podar cercas vivas mas eu ganhei uma caixinha de amor-perfeitos e bom… tinha que replantar as “frozinhas”… aproveitei o sábado de sol e distribui as danadinhas em vários vasinhos. Fiquei tão feliz e satisfeita com o trabalho que acho que vou gostar (ou aprender a gostar) de mexer com o jardim ou, ao menos, de plantar flores. Já penso em plantar girassóis no quintal.

Meus amor-perfeitos! Ou a gente escreve amores-perfeitos? E roupa no varal...

Meus amor-perfeitos! Ou a gente escreve amores-perfeitos? E roupa no varal…

E como sábado sempre foi dia do faxinão lá em casa, eu apenas continuei a arrumação por aqui, lavei as janelas (que em sueco a gente diz att putsa) e decidi que ia instalar a máquina de lavar roupa e lavar roupas. O problema é que compramos a máquina numa promoção online e quando eles vieram entregar não tiramos do pacote no mesmo instante; um dia depois descobrimos que a máquina veio quebrada. Aí o Joel liga para o pessoal da loja, reclama, e nós vamos receber uma nova – que será entregue algum dia depois da 4a feira desta semana. O pessoal do atendimento ao consumidor disse que podíamos instalar e usar a bichinha – porque afinal, é a tampa de cima da máquina que está quebrada – e usar, se o dano aparentemente não prejudica o funcionamento do produto. Instalei e coloquei somente algumas peças para “assistir” o processo. Foi tudo bem durante a lavagem mas na hora da centrifugação o trem degringolou e a máquina começou a dançar feito louca na lavanderia, batendo violentamente contra a parede. Tentei desligar sem sucesso e aí só tirei o contato da tomada mesmo. Já mexi e remexi com os pézinhos da danada, e sei lá se foi o “Samba de uma nota só” que eu estava ouvindo no Spotify que fez a máquina querer sambar, ou se o piso tem caimento (nesses horas eu queria muito o meu pai), ou se foi a pancada que quebrou a tampa do produto que tirou o cesto do centro; só sei que a máquina dança e pula mais do que dançarina de frevo. Resultado: lavei o lençol que aparece aí ao fundo das minhas flores e algumas outras peças; o resto continua no cesto (que está transbordando).

Replantar as flores, pendurar roupa no varal (apesar dos pesares) e comprar uma vassoura de pêlo foram algumas das coisas que fizeram com que eu me sentisse super “dona-de-casa” esse fim de semana, e feliz. Acho que eu sempre quis uma vassoura desde que mudei para a Suécia e nunca tinha visto quando… tcharãmmm: na sexta feira encontrei uma bela vassoura de pêlo na Class Olsson. Falando nisso, eu gosto bastante dessa loja, tem um monte de coisas que as demais normalmente não oferecem (até panela de pressão!) e outras coisas que normalmente não estão na moda, como essa vassoura aí. Eu sei que a maioria do pessoal usa aspirador de pó e eu concordo que é uma mão na roda mas eu odeio aquele barulho contínuo que vem acompanhado com a “modernidade”. Experimente passar o aspirador e ouvir música ao mesmo tempo! Em 5 minutos o seu cérebro está latejando. Assim eu passo a vassoura feliz, ouvindo qualquer melodia e ainda canto junto. Deixo o aspirador para o dia do faxinão quando eu tiver de limpar o tapete da sala de jantar.

Aí que o papel de parede do lavabo está(va) caindo e esse fim de semana uma visita fez um comentário do tipo: “nossa, que banheiro mais anos 70! Imagino que o papel de parede original deva ser alguma coisa com flores (e dando uma espiadinha por baixo do papel decadente) e é! Nossa, ainda por cima verde, como eu havia imaginado…”. Aí eu tive um insight! Se o papel de parede de baixo não estiver tão feio quanto o de cima, vale a pena arrancar de uma vez esse papel descolante e ficar com o verde! Fiz um teste e voilá! Ainda não tirei tudo mas o papel marrom não dá muito trabalho para descolar não – sai bem facinho com um pouco de água, e o mais antigo está sim melhor do que o atual. Ainda vamos trocar a cor da parede porque esse verde florido faz a gente sentir que foi cagar atrás de uma moita. Ao menos eu. Talvez eu acostume, mas precisamos trocar.

Meu banheiro anos 70! E a diferença entre o papel de parede atual e antigo...

Meu banheiro anos 70! E a diferença entre o papel de parede atual e antigo…

No mais tudo vai caminhando devagar. Logo, logo eu vou fazer aquele churrasco que a Joana e a Karine exigiram, ou melhor, assim que eu e o Joel tivermos um fim de semana de folga…

Mas eu aviso com antecedência!

Promessa é promessa!

Eu vos apresento o meu convite de casamento! Tchrãmmmmmmm!!!

Frente do convite...

Frente do convite…

Ficou simples mas eu gostei. A arte da caricatura encomendei do Brasil, com uma moça muito simpática e talentosa chamada Elaine (encontrei ela no Mercado Livre, deixo as informações de contato no fim do post). Mandei algumas fotos minhas e do Joel para ela e disse como eu queria que os noivinhos estivessem. Escolhi um visual mais limpo porque afinal, aqui na Suécia o pessoal não é muito acostumado com convites informais – então eu não poderia colocar uma moto no meio do desenho por exemplo. Ou sim, eu poderia, mas não queria parecer a brasileira exótica que fica inventando invencionices. E eu tinha inventado um monte de invencionices, mas somos um casal democrático e decidimos as coisas juntos. Assim, fui experimentando vários modelos – montei o convite em casa sozinha – até chegar nesse em que tanto eu como o Joel achamos legal.

Primeiro, decidimos fazer o convite com uma caricatura, e lá começa a saga pela busca de um caricaturista na internet. Conversei com cinco ou seis, primeiro aqueles que tem os sites que aparecem no topo da pesquisa do Google e já estava desanimando quando decidi ver o que é que estava no Mercado Livre; e encontrei a pessoa que eu precisava. Para mim foi bem importante a segurança que a Elaine me passou desde o primeiro contato com ela. Enviei um e-mail que foi respondido de forma educada. Se algum caricaturista chegar a esse blog eu dou um conselho: sejam mais humildes, principalmente os que estão no ramo há mais tempo.  Um dos caras que contactei por meio de site foi curto e grosso comigo e eu penso por quê? Se a pessoa trabalha vendendo coisas deveria tratar com mais carinho possíveis clientes. Eu conversei com a Elaine quase três ou quatro vezes por dia durante o processo do desenho, enviei dúvidas que foram respondidas e quando ela não respondeu disse que estava correndo e que me mandava um recado mais tarde. Mudei o desenho diversas vezes até ele ficar do jeito que eu queria – separei e juntei os noivos, coloquei as minhas invencionices, tirei quando o Joel não aprovou. E no fim, quando fizemos a coloração, ela também mudou vários detalhes (das cores, e não dos desenhos) a meu pedido.

Frente e verso - convite no meio do meio varal de fotografias!

Frente e verso – convite no meio do meio varal de fotografias!

Com a caricatura pronta cheguei na fase do “e agora”? Que formato de convite escolher? Tamanho? Cor? Bla bla bla? Decidimos adotar o modelo panfleto – é diferente, econômico e melhor para o meio ambiente (uma hora eu conto como é que estou ficando meio maluca com essa coisa de sustentável). Usei um programa do Office mesmo (o Publisher) para montar o convite, usando as molduras do Word Art. Experimentei várias fontes sugeridas por blogs “faça você mesmo o seu casamento”, e cheguei a conclusão de que esse tipo de dica ajuda a soltar a imaginação. Acho que confeccionei no mínimo uns doze modelos diferentes (e alguns vão pensar: pra chegar nesse resultado? Gente, eu não trabalho com Photoshop e Corel Draw, eu tenho que usar os gatos disponíveis). Escolhi e comprei papel (que foi muito grosso para a impressora – dãã); aí a tia do Joel nos salvou (a impressora era dela) e no fim todos foram felizes para sempre… (Fora aqueles que ainda nem sabem que deveriam receber o convite porque eu não acho o endereço. Há pessoas super difíceis de achar e nesse ponto nem o Facebook ajuda a facilitar a vida da gente…).

E contando selos (também para o Brasil), envelopes, papel, caneta, impressão (foi de grátis), caricatura… gastamos cerca de 15sek por convite (um pouco menos de 5 pilas). Eu sei que há páginas brasileiras que oferecem convites a partir de R$3,90 mas eu achei super divertido confeccionar o meu convite.

Dá um pouco de trabalho, mas é um trabalho legal.

*****

Elaine Frias
elaine-frias@ig.com.br
Tel: (48) 30472077
Brasil

Dirigir na Suécia

Toda essa função em torno da busca do meu primeiro emprego como assistente social por aqui me levou a iniciar o processo para a carteira de habilitação sueca. O negócio é meio enrolado e muito caro (principalmente para quem não sabe dirigir), mas não tenho outra saída. Além do mais, eu gosto de dirigir.

Eu imaginei que teria de fazer inscrição em uma Traffikskola (auto escola) e liguei para algumas delas para pedir informações. Felizmente, como eu já dirijo há uns dez anos, não preciso de aulas de direção e então posso pular essa fase – vou economizar muiiiiiiiiitttooo com isso. Essa informação eu não consegui por meio da traffikskola e sim por meio do meu amado viking que usou o google para me ajudar porque – pasmem! – as auto escolas suecas também não me respondiam.

(Parênteses: eu acredito que meu sueco seja bom mas, definitivamente, eu tenho algum problema de comunicação. Ninguém [Arbestsförmedlingen] me entende e eu fico no vácuo quando ligo para consultas de preço ou das vagas de emprego… Minha auto estima com relação a língua foi parar nos meus pés essa semana).

Para iniciar o processo de habilitação é preciso acessar o site korkortsportalen e procurar o formulário para pedido de habilitação (esse aqui). Na Suécia também há a divisão de categorias de habilitação representadas por letras e eu vou ter a permissão B=carros. Apesar de minha habilitação brasileira ser AB não vou tirar carteira para motos porque o processo para tirar habilitação para motos é realmente complicado e nós nem temos uma moto; além disso, não é legal sair de moto nessa terra gelada.

Quando você solicita a permissão para realizar o processo de habilitação tem de responder (já no formulário eletrônico online) uma série de questões sobre a sua saúde: que você não é paranoico ou esquizofrênico, não tem tendências suicidas ou homicidas; ou problemas de coração, epilepsia, problemas de visão, dependência a substâncias psicotrópicas ou álcool.Por meio do formulário também é necessário informar se você toma medicamento controlado ou já tomou. Depois de realizar o pagamento online de uma taxa de 220sek você recebe em casa um formulário para o exame de vista que pode ser realizado em qualquer ótica – e pelo qual você paga 100sek.

Até o momento gastei 320sek (mais ou menos R$100) com o processo de habilitação e a expectativa é que vá gastar pelo menos mais 4075sek (cerca de R$1360). Como eu não preciso das aulas de direção posso estudar as normas de trânsito suecas em casa mesmo e depois marcar a prova teórica – que custa 325sek.

Mas antes da prova teórica eu tenho que participar de dois cursos obrigatórios (Risk 1 e Risk 2), o primeiro deles sobre direção defensiva e o segundo deles para você experimentar situações perigosas na pista, especificamente, deslizar por causa do gelo (halkbanan – pista de gelo). Parece coisa de filme mas aqui as pistas são definitivamente uma caixinha de surpresas e mesmo hoje, com sol brilhando e a temperatura em torno dos 4graus C ainda é possível encontrar gelo nas pistas – o que, ao longe, pode parecer apenas uma pocinha d’água. Isso é perigoso porque durante o período em que neva há muitos caminhões espalhando sal pelas pistas (sal e pedrinhas britas); mas agora não há nada para proteger os motoristas além do bom senso. Vale a pena aprender a manter o controle durante uma situação de risco e perda do controle do veículo.

Durante o inverno eu e o Joel passamos por uma situação assim: fomos visitar um conhecido que mora no campo e numa curva da estrada o carro simplesmente deslizou para fora da pista. Como o Joel já esperava por isso foi relativamente fácil controlar a situação – a situação, não o carro. Nós estávamos devagar (muito mesmo) e foi por causa da direção defensiva do Joel que não nos machucamos e estragamos o carro.

Os dois cursos acima custam, respectivamente, 700sek e 1700sek (2400sek no total ou quase R$800). Depois disso faço a prova teórica (teoriprov) e a prova de direção (uppkörning ou körprov) que custará mais 800sek. Até agora pelo que soube o grande desafio dessa prova é passar pela Korsvägen – um dos cruzamentos mais loucos de Göteborg, com spårvagn, ônibus, de frente  ao Liseberg e a Svenska Mässan, ou seja, poluído de pedestres. Não ouvi nada sobre baliza e pelo jeito, o maior medo do pessoal é mesmo passar a Korsvägen. Eu penso que é difícil, mas é apenas uma questão de manter a calma.

Depois de tudo isso terei a carteira em mãos, ou melhor, depois de tudo isso e de pagar mais 80sek para dar o meu retrato ao Traffikstyrelsen e mais uma taxa de 150sek para retirar a carteira; vou ter um cartão de plástico a mais na carteira e 4000sek a menos no banco. Isso se eu não pirar e reprovar…

Mas não vou. Tenho experiência de sobra no volante… só me falta o espírito de paciência e calma no trânsito dos suecos…