Verbos pra que te quero – Parte III

To lendo muito sueco, e isso significa muito tempo para poucas páginas. Daqui a pouco rola prova sobre um livro (Manniskosaker) e a minha impressão é que o sueco piora quando começamos a ler. Seja porque gastamos um tempão caçando palavras no dicionário ou seja porque precisamos de concentração e silêncio, recebi a nota mais baixa no sueco desde que comecei a estudar – numa prova de listening (ouvir e entender); o resultado é que seria reprovada se a provinha não fosse apenas para obter uma média da capacidade de compreensão da turma. Hahá, ajudei a lascar todo mundo.

Resgatei o ‘Verbos pra que te quero’ do fundo do baú porque lembrei que esqueci de postar sobre os verbos suecos no passado. Na verdade, falta o imperativo também, mas isso fica para outro post. Voltando ao que interessa, os verbos suecos no passado não são muito difíceis e a boa notícia é que há verbos “regulares”; assim nomeados só para facilitar a explicação porque a unica coisa que diz meu livro de gramática é que os verbos em sueco são divididos em quatro grupos distintos. Por que? Porque um dia os vikings, sentados ao redor de uma fogueira, decidiram assim. Sério, tá no livro. Hahaha… claro que não, mas como o livro não explica o porquê dos grupos, também não posso explicar.

O sueco conjuga os verbos no pretérito e pretérito perfeito. O pretérito é o passado simples, aquele que mais usamos no dia-a-dia: eu comi, eu bebi, eu saí, eu trabalhei, eu estudei, eu li, blá blá blá. Para o preteritum sueco, os verbos se apresentam de três formas “regulares” distintas e uma forma irregular. Simplificando, podemos dizer que os verbos regulares em sueco terminam em de, te ou dde. Vamos de exemplo:

Os exemplos da linha verde correspondem aos verbos do grupo 1. Os verbos que fazem parte desse grupo tem acrescentado a forma do infinitivo apenas a complementação “de” na forma do preteritum: titta – tittade; arbeta – arbetade; sluta – slutade; diska – diskade (olhar/olhou; trabalhar/trabalhou; acabar/acabou; lavar a louça/lavou a louça). É importante lembrar que os verbos no infinitivo são os verbos base (acrescentando “att” antes da forma do infinitivo), que na grande maioria são terminados em a.

Os exemplos da linhas azuis correspondem aos verbos do grupo 2, subdivido em 2a e 2b. Nesse grupo, os verbos tem a terminação “de” ou “te” no preteritum, sendo que a terminação é acrescentada depois de se ‘comer’ a letra final da forma do infinitivo (ou seja, um ‘a’): lära – lärde; köra – körde; ringa – ringde; resa – reste; hjälpa – hjälpte; köpa – köpte (aprender/aprendeu; dirigir/dirigiu; ligar/ligou; viajar/viajou; ajudar/ajudou; comprar/comprou).

Os verbos do terceiro grupo no preteritum sueco tem como terminação “dde”; esse grupo de verbos tem a particularidade de que no infinitivo não são terminados em a, como: må – mådde; tro – trodde; bo – bodde; spy – spydde (sentir-se bem/sentiu-se bem; acreditar/acreditou; morar/morou; vomitar/vomitou). Eu realmente não sei porque a regra se aplica a um grupo e outro, mas na prática – na hora de falar – dentro desses três grupos “regulares” é só chutar a terminação “de” ou “te” (sempre lembrando de ‘comer’ uma letrinha quando falar “te”)’; se não for nenhum dos dois o verbo é irregular.

Denominei os verbos pertencentes ao grupo 4 como verbos com preteritum “irregular” porque a sua terminação não segue nenhum padrão. Alguns exemplos de verbos com preteritum “irregular”: att se – sag; att dö – dog; att äta – åt; att sjunga – sjöng; att springa – sprang; att dricka – drack; att gå – gick (ver/viu; morrer/morreu; comer/comeu; cantar/cantou; correr/correu; beber/bebeu; ir/foi).

O pretérito perfeito ou perfekt do sueco tem a seguinte forma: har+supinum; e é utilizado para falar de situações do passado que podem e não ter sido concluídas. Por exemplo: Jag har bott i Sverige i elva månader (eu tenho morado na Suécia onze meses) está explicando uma coisa que já fiz – morar na Suécia por 11 meses – mas que ainda não acabou; mas eu também posso dizer: Jag har smakat lax och tycker att det är gott (eu já comi salmão e acho que é gostoso) indicando uma ação que está no passado e que já foi completada.

O perfekt  apresenta a mesma terminação dentro dos quatro grupos de verbos –“t” ou “tt” – sendo que entre os “irregulares” há mudança apenas nas vogais que compõe o verbo, o que facilita na hora de falar – não de escrever. Para mim a utilização do verbo “har” causou certa confusão na hora da leitura, uma vez que no português ‘tem morado, tem amado, tem lido, tem…’ dá uma impressão de continuidade. A dica é observar se a frase contém um indicativo de tempo (hoje, esse mês, a semana passada, algumas horas, etc) e na falta desse traduzir o verbo “har” como : já vi, já amei, já provei, já bebi, blá blá blá … Entretanto, é muito importante lembrar que sett, älskat, smakat*, drukit… são traduzidos como visto, amado, provado, bebido… alguns exemplos:

O perfekt no sueco pode aparecer com a variação att ha+supinum ou hade+supinum, sendo esta última variação a forma do pretérito mais que perfeito (digamos assim) em que “hade” pode ser traduzido como ‘tinha, tive’, então: Jag hade dansat salsa för första gång i mitt liv = “Eu tinha dansado salsa a primeira vez na minha vida“.

E agora, prova!

*Att smaka é o verbo para experimentar comidas e bebidas; em outros casos é melhor utilizar att testa ou att försoka (testar e tentar).

** Eu to com pressa e não pedi para o Joel corrigir, se houver alguma coisa errada (vai ter) posto a correção nos coments!

Anúncios

Decifra-me ou te devoro – interrogações

Eu ando meio preguiçosa para escrever dicas de sueco. Talvez seja porque agora eu consigo conversar e perdi aquela necessidade louca de entender. Agora ando numa fase de escutar muito, prestar enorme atenção na forma como as pessoas falam. Mesmo sabendo que estou expandindo o vocabulário e melhorando a pronúncia, sinto como se estivesse estacionada no mesmo lugar.

Falando nisso, duas coisas: primeiro que eu não tenho o costume de ficar utilizando palavras de apoio quando alguém está conversando. Claro que a gente usa muito isso em português, mas eu sempre fui de falar mais do que escutar. Para quem não pegou o fio da meada, as palavras de apoio são aquelas frases curtinhas que usamos para incentivar o cidadão a continuar a fala, além de expressar que estamos entendendo – aquela coisa com humm…, mesmo?, não sabia…, com certeza!, além de outras. Em sueco se usa muito o ja, absolut, precis. Quando digo muito, é muito mesmo. No início, eu nunca utilizei essas palavras de apoio e o que acontecia era a pessoa repetir duas ou três vezes o que estava falando. Eu dizia entendi, mas o povo ficava me olhando com cara de dúvida. Agora eu quase consigo fazer isso – apesar de achar muito estranho – e percebo que a conversa flui mais naturalmente.

Segundo, eu sempre me enrolo na hora de perguntar coisas. Tudo porque na lógica do sueco o verbo vai primeiro nas interrogações, como no inglês. Mas eu nunca fui fluente no inglês, ou melhor, ainda não sou, e também tinha esse problema de me confundir na hora de fazer as perguntas. Coisa bem boba, mas enquanto a gente formula a frase em português e traduz para o sueco acontece bastante. Quando a gente adquire a capacidade de pensar em sueco, daí tudo fica muito mais fácil.

Pra começar, nada melhor do que entender a ordem das palavras em interrogações em sueco. Claro que sei disso e estudei há um tempão, mas só a prática para diminuir a incidência de erros… 8 meses não é lá tanto tempo assim não é? Pra quem tá começando, é interessante saber.

O verbo vem em primeiro nas interrogações, a exceção daquelas palavrinhas utilizadas para mensurar ou definir a questão, por exemplo: como?  o quê? quem? onde? quando? (hur? vad? vem? var? när?). Acho importante sublinhar três deles: hur mycket, hur många e hur länge – quanto/a, quantos/as e quanto tempo. Hur mycket é utilizado para peguntar sobre coisas que “não são possíveis de mensurar” de forma simples, como água, café, leite, neve, areia…; ou seja, que a resposta não pode ser 1, 5, me dá 25 disso, etc. Hur mycket kaffe vill du ha? En halv kopp, tack [quanto café você quer? meio copo, obrigada]. Ou seja, se a pergunta (em português) é no singular (quanto ou quanta), utilize hur mycket. Quando a pergunta é sobre coisas facilmente mensuráveis, utiliza-se hur många: hur många barn har du? Hur många personer kommer till festen? Hur många glas har du? [ Quantas crianças você tem? Quantas pessoas vem para a festa? Quantos copos você tem?]. Para todas essas perguntas, a resposta pode ser um simples 2, 12, 6. Ou seja, se a questão (em português) é no plural (quantos ou quantas), utilize hur många.

Uma das perguntas que mais me fazem é hur länge har du varit i Sverige? que é o equivalente ao nosso há quanto tempo você está na Suécia? em tradução não literal. Apesar de não aparecer na pergunta nenhum “tid”, esse é o significado de hur länge em perguntas como: hur länge har du jobbat som personlig assistent? Hur länge har du läst svenska? Hur länge har ni varit tillsammans? [Há quanto tempo você trabalha como assistente pessoal? Há quanto tempo você estuda sueco? Há quanto tempo vocês estão juntos?].

Ok, agora vamos de esqueminha:

Vad heter du? De forma simples, a ordem das interrogações sempre segue o padrão verbo+sujeito. Lembrando que as palavrinhas de interrogação vem primeiro, mas se elas não são aplicáveis, primeiro vem o verbo. Heter du Maria? Är du svensk? Tycker du om lax? [seu nome é Maria? você é sueca? você gosta de salmão?].

Hur länge har du varit i Sverige? Quando existem dois verbos na pergunta, o sujeito fica entre eles, como no caso acima: verbo 1+sujeito+verbo 2. Aqui o tempo verbal é o passado perfeito, sempre acompanhado de har, mas isso é assunto para outro post. E o resto da questão? Quando, onde e com quem são complementos que sermpre ficam no final da pergunta, nesse caso, a menos que seja exatamente o que você quer saber. A diferença: Vem var med dig igår? Var du med Joel igår? [quem estava com você ontem? você estava com o Joel ontem?]. Outros exemplos (de perguntas com dois verbos): Vill ni ha kaffe? Har du sett The Help? Ska du åka till Brasilien? Tror du att det kommer regn? [vocês querem café? você assistiu The Help? você vai para o Brasil? será que chove?].

Varför tycker du inte om lax? Quando aparecem advérbios nas perguntas – o mais comum deles é o não – sempre ficam atrás do sujeito, na ordem: verbo+sujeito+advérbio(+verbo2, se houver). Varför går vi aldrig på bio? Glömde du igen att stänga av din mobiltelefon? Kan du nån gång komma i tid? [porque nunca vamos ao cinema? você esqueceu de novo de desligar o celular? você consegue chegar em tempo alguma vez?].

É isso. Quem tem mais para acrescentar seja bem vindo!

Decifra-me ou te devoro! [afirmações]

Quem conhece a história de Édipo sabe que ele enfrentou a Esfinge nas portas da cidade de Tebas, que devorava a quem não conseguia desvendar-lhe um enigma. A esfinge é uma figura mitológica imponente com corpo de leão, asas de águia e cabeça de mulher, enviada por Hades para trazer sofrimento aos homens com o seu decifra-me ou te devoro. Eu brinquei muitas vezes com essa frase por aqui porque foi assim que eu realmente me senti com relação ao sueco.

Porque? Todo mundo fala sueco comigo desde o início, para me ajudar. Boommmm. Bra. Menos pelo fato de que muitas vezes não dá para entender e não dá tempo de ficar recebendo explicações. Exemplo: quando alguém conta uma piada. Todo mundo está rindo. Menos eu. Quando tem um grupo de pessoas conversando não dá para usar o Joel como tradutor (ele é mais tagarela do que eu). Então eu me sinto na obrigação de decifrar o enigma, ou serei devorada pela língua.

Eu comecei a me sentir mais confiante depois que estudei o último livro que a Gunnel me emprestou porque ele mostra a ordem das classes de palavras em uma frase. A importância de entender isso é porque o sueco é muitas vezes escrito/falado como que ao contrário do português, a exemplo do inglês e outras línguas não latinas. Para mim isso é uma coisa difícil já que as frases ficam totalmente “erradas” na lógica do português. Eu passei 26 anos falando apenas português, então não tenho o menor problema em admitir isso e estou convencida o suficiente para afirmar que me saio razoavelmente bem, apesar de fazer confusão em alguns casos.

A primeira dica é: verbos sempre ocupam a posição número dois na ordem de palavras em uma frase. Se você começa com o sujeito ou com o tempo (no sentido espaço tempo; ou seja, os dias, meses, semanas, anos) não importa, o verbo vai estar na posição dois.

Ex:

Jag tycker om att titta på filmer. Igår tittade jag på en film hemma.
Han har en motorcykel. Imorgon vill han åka till Norge.

Dica um: sempre use a forma “ontem, blá blá blá eu/nós/eles…” e/ou “amanhã, blá blá blá eu/nós eles…”; sendo que blá blá blá é um verbo, obviamente. É errado dizer “eu/nós/eles blá blá blá ontem” e/ou o mesmo com amanhã? Não. Mas soa muito melhor aos ouvidos de um sueco porque eles usam esse modelo. Não é difícil perceber nos textos em jornais e/ou o quê mais do mesmo. Dica da Gunnel.

Então, voltamos ao exemplo: o verbo (em azul) sempre está na posição dois. Obviamente, essas são frases simples, mas todas as frases são formadas por sentenças com a mesma lógica: sujeito, verbo1, verbo2 (se houver), objeto, lugar. E quando existem dois verbos na frase, o segundo sempre estará no infinitivo, à moda do que acontece no português: eu gosto de assitir filmes/amanhã ele quer ir para a Noruega. No exemplo, o verbo 2 está em vermelho.

A regra é a mesma para quando você utiliza aquilo que os suecos chamam de hjälpverb (mais aqui): posso, quero, vou, devo…: du måste städa ditt rum/jag vill ha te, tack. Hjälpverb em verde! E para o caso de alguém se animar porque a coisa estava ficando fácil, detalhe: se você vai falar de amanhã ou ontem, para soar mais sueco, a frase fica diferente: imorgon måste du städa ditt rum/igår villde jag ha te. Ou seja, as posições devem ser: tempo, verbo 1/hjälpverb, sujeito, verbo 2 [no infinitivo!], objeto, lugar…

Eu demorei muito tempo para começar a entender porque o jornal parecia uma sopa de letrinhas, mas agora eu sei que é tudo culpa dos advérbios. Quando eles entram em cena a salada está completa. Advérbios, para quem fugiu das aulas de gramática, são a classe de palavras que mudam (principalmente) um verbo. O exemplo mais simples é não: eu sei jogar bola/eu não sei jogar bola.

Jag sover alltid efter jobbet. Jab har aldrig sett den här filmen. Jag brukar inte läsa på kvällen.

Os advérbios (em rosa) sempre estarão depois do verbo 1, ou no caso do passado perfeito (oração dois do exemplo acima), entre o conjunto de verbos da expressão do [passado perfeito]: sujeito, verbo1/hjälpverb, advérbio, verbo2, blá, blá… Mas se você quer soar bem sueco, colocando o tempo no início da frase (para o caso de imorgon e igår principalmente, quase que obrigatório!) tudo muda: på kvällen brukar jag inte läsa – tempo, verbo1/hjälpverb, sujeito, adverbio, verbo 2, blá, blá… Lembre-se que apenas também é advérbio, assim como às vezes: jag brukar ibland läsa tidnigen/jag vill bara ha en kop kaffe, tack.

Eu ainda estou aprendendo, e não é difícil confundir. Quem tem mais dicas, à vontade!