Dia dos namorados e um alô para quem morre de amores por um viking

Eu ando com muita saudades de escrever. O blog sempre serviu de válvula de escape para mim, principalmente nos meus dias mais difíceis do lado cá. Esses dias recebi um e-mail mal educado, de uma pessoa me perguntando se eu cansei de falar mal da Suécia ou simplesmente caí na real. Fala sério? Há uma porcão de blogs mostrando o quanto a vida na Suécia é boa, eu não acredito que precise frisar essa questão. Não quer dizer que esses blogs são menos importantes, ou que eu queira ser diferente. Quer dizer apenas que eu decidi mostrar o lado B das coisas, uma vez que o lado A está bem explícito.

Eu gosto da vida na Suécia e concordo com a maioria das coisas que as minhas colegas blogueiras expõe sobre esse país tão seguro. Sou feliz vivendo aqui. Em muito devido aos fatos especiais que me trouxeram para cá, e é justamente sobre isso que eu quero falar…

Hoje se comemora o dia dos namorados no hemisfério norte – ou melhor, o dia de todos os coracões na Suécia (já deu para perceber que eu não estou usando cedilhas?). Apesar das parcas atualizacões que venho fazendo por aqui, ainda há muita gente que me escreve por causa da minha história. O que vem mudando é que ultimamente mais e mais gente vem me escrevendo para pedir conselhos amorosos e isso, bem, é muito complicado.

Já me perguntaram se eu achava que dá para confiar em suecos, se dá para levar eles no motel, se transar no primeiro encontro faz com que eles pensem que somos putas, se vale a pena largar marido e filhos por causa de uma paixão avassaladora por um sueco super carinhoso e gentil de olhos azuis, se é normal que o namorado viking tenha fotos de mulheres nuas no computador, se é verdade que eles preferem as latinas e tailandesas porque as suecas são feministas peludas egocêntricas e malvadas…

Quero abrir um parêntese sobre a última questão. Há uma dicotomia muito interessante relacionada a esse fato. Por um lado, um monte de gente dissemina e acredita piamente que suecos não se casam com suecas porque elas são feministas castradoras. Por outro lado, um monte de gente – quando não as mesmas pessoas – afirmam que suecos são ótimos partidos, uma vez que cresceram em um país onde homens e mulheres tem direitos iguais, então eles são mais gentis e nem um pouco machistas. Partindo do pressuposto que mulheres suecas não servem para casar (elas são feministas peludas egocêntricas e malvadas), imagino que a maioria desses príncipes encantados sejam filhos de chocadeira…

Ironias a parte, o meu problema se deve ao fato de que não sou uma boa conselheira amorosa. Uma, porque me dá preguica. Tem gente que romantiza demais a relacao com um estrangeiro. Gente, se você é uma mulher hétero interessada em um cara hétero, saiba que o estrangeiro é só um homem hétero e ponto final. Homens podem ser doces e interessantes, podem ser malas arrogantes, podem ser machistas retrógrados, podem ser sexistas disfarcados, podem ser um ser maravilhoso, único e especial, e isso não porque são suecos ou brasileiros, mas sim porque são humanos.

Mas a cultura influencia, óbvio. E que a cultura sueca é muito diferente da cultura braisleira é um fato. Feliz ou infelizmente, ninguém nasce em linha de producao e, apesar da diferenca cultural, na Suécia os homens também traem, também assistem pornô, também batem em mulher e também abandonam a mocinha na porta da igreja.

Vou contar alguns casos: mais de uma guria me escreveu e-mails gigantes me contando os pormenores de suas histórias tristes com um sueco. Enquanto elas sonhavam em vir para cá (e o cara enrolando), ele estava saindo numa boa com outras garotas. Certa vez em uma festa eu conheci um sueco que veio me dizer que tinha uma namorado no Rio e que estava querendo trazer ela para cá. Me perguntou se tinha sido fácil para mim conseguir o visto. Eu comecei a contar minha história, até que um amigo do Joel veio tirar uma com a cara do sujeito, bem no estilo ” ai ai João, você ainda não tirou a Ana da cabeca? Olha que se a Rosa ficar sabendo…”. Aí que eu fui entender: o cara estava noivo de uma sueca, mas tinha uma namorada no Brasil. Ele vivia dizendo para ela que ia trazer ela para cá e visitava a guria uma vez por ano, mas ela nem sonhava que o cara estava na contagem regressiva para o casamento. A desculpa dele para ela era que por causa da filha dela o processo era mais demorado… Ele veio me fazer perguntas para descobrir se ia ser fácil ela descobrir que ele só estava enrolando… e ele me confessou isso na cara dura, justificando que era muito jovem para assumir uma crianca!

Ano passado, uma outra garota me escreveu dizendo que sofria violência psicológica do parceiro sueco. Estava grávida, não tinha dinheiro para voltar para o Brasil e vivia abandonada pelo cara, que tinha várias amantes e vivia viajndo a Europa com elas e contando para que lugares lindos ele tinha levado as outras gurias. Ainda uma segunda garota grávida me escreveu para contar que estava numa situacao semelhante. Na comunidade de Brasileiros na Suécia (no facebook) uma terceira pediu ajuda pelo amor de Deus pois tinha sido despejada pelo namorado, que simplesmente decidiu que ela não ia mais ficar na casa dele e pau, largou a menina na estacão de Stockholm e disse: se vira… Além de violência psicologica, eu sei que há brasileiras que sofrem de violência física aqui também.

Por fim, há aqueles que desistem “a tempo”. Quando você dá entrada no visto, o sueco tem que confirmar a história e dizer a imigracão que está disposto a te dar casa, comida e roupa lavada. Tem gente que entra em pânico nesse momento e simplesmente diz que não, que não era bem isso, que não pode ser responsável por outra pessoa. Não sei se é melhor ou pior, só sei que deve ser bem duro descobrir que o cidadão no fundo nem sabia ao certo o que queria.

Isso tudo para jogar mais um pouco de lama na reputacao inimputável desse reino tão e tão distante?

Não, é apenas para dar um toque: o que você espera ouvir quando escreve para uma pessoa que não te conhece, que não conhece o homem dos seus sonhos, que não tem a mínima ideia dos pormenores que envolvem a história de vocês? Se você espera ouvir um vem, vem agora que você será feliz para sempre, bateu na porta errada baby. Uma, que mesmo que eu escreva isso para você será uma mentira e duas, acho que você deve pedir conselhos para alguém que te conhece, tipo a sua mãe ou a melhor amiga.

É certo que eu vivo uma história de amor com um sueco. Isso pode ser algo que temos em comum. Mas, apenas para reforcar, cada ser humano é unico e eu não posso orientar um terceiro a tomar as mesmas atitudes que eu. É muita responsabilidade. E tem gente que se irrita! Tipo a guria que me escreveu perguntando se ela devia largar o marido e filhos para ficar com um sueco e eu disse que não iria opinar, me deu uma resposta torta dizendo que eu devia ajudar por ser uma questão cultural. Uma questão cultural? Essa é uma questão pessoal e no mínimo extremamente sensível por dizer respeito a vida de menores. Além de tudo, tem bem cara de cilada: a pessoa me escreve, pergunta o que eu acho; eu digo que eu acho que ela deve apostar; tudo dá errado e depois… foi a caipira do blog que me MANDOU largar do marido!

Enfim, se você é solteira, independente e quer arriscar… coloque as coisas na balanca do seguinte modo: e se ele não fosse sueco? E se ele fosse brasileiro e eu tivesse que me mudar, sei lá, do Amazonas para o Rio Grande do Sul ou vice e versa, sabendo o que eu sei, eu faria isso?

Se você está na duvida, é bom por um freio.

Como namorar um sueco… hã?

Quem tem blog sabe que você pode visualizar um painel com as estatísticas do seu espaço, quantas pessoas leram em tal dia e qual foram os termos de pesquisa que direcionaram as pessoas até ali/aqui. Eu já me deparei com vários que achei super engraçados – por exemplo como é a pele das aves? – mas hoje eu encontrei esse: como namorar um sueco.

?????

Se você é como eu já começou a imaginar que tipo de adolescente ou caipira desocupada senta em frente ao computador para buscar “como namorar um sueco” no google. Não, eu não fiz isso quando conheci o Joel, porque apesar de ele ser totalmente diferente de todos os homens que conheci, eu sou exatamente igual a qualquer donzela apaixonada de filmes: enchi a cabeça das minha amigas.

Mas não deixa de ser interessante a questão – eu to me mordendo para saber quem fez a busca… mas e qual é a hipótese de eu descobrir isso? Ok, voltando ao assunto, eu não posso me lembrar com exatidão o que aconteceu quando eu conheci o Joel, mas a história toda é bem bonitinha… acho que não contei tudo aqui no blog, e se sim, vale a pena escrever de novo.

Maripá é uma cidade de uns 3 mil habitantes, típica do interior, daquelas que todo mundo sabe o que tá acontecendo. Podem imaginar que não é muito comum que estrangeiros apareçam em uma cidade desse porte, que tem como atração turística orquídeas e arrancadas de tratores… se bem que me lembro de que várias vezes grupos de alemães da igreja ou bandas de música passaram por lá, coisa de uma semana. Mas eu nunca aprendi alemão, além de que não me interessava muito pois a maioria dos habitantes da cidade tem sobrenome alemão e são descendentes de – ou seja, nada de novo.

Mas eis que havia um sueco morando entre nós, com cabelos e barba vermelha (que são mais vermelhos aqui na Suécia) e lindos olhos azuis, que falava português muito bem. Ao menos essa foi a opinião da Angela, que por trabalhar no coral da igreja foi apresentada meio cedo ao visitante. Eu acho mesmo que ela disse alguma coisa como “nunca vi uma barba tão vermelha!”, mas… o fato é que eu fiz alguma piadinha típica como seria interessante ajudar ele a trabalhar a língua ou quê, a gente riu muito e fim de papo. Nada de falar do sueco em um mês.

Joel e eu fomos apresentados oficialmente durante uma festa, na qual eu estava razoavelmente feliz (alguém aí conheci free fest? Você paga a entrada e bebe até…), mas devido a minha condição e a concorrência, eu fiquei 5 minutos falando alguma coisa sobre dançar ou o quê, e depois fui procurar a chave de casa que eu tinha perdido. Acreditem ou não, esse fato não aconteceu por causa da bebida, eu vivia perdendo as chaves de casa.

Eu já tinha visto o tal sueco na piscina, na padaria, na rua em algum lugar – afinal a cidade é um ovo – e mais ou menos uma semana depois eu tava com a Janete no ginásio de esportes quando vi ele entrar sozinho e sentar sozinho na arquibancada. Eu disse para ela  “sabe aquele cara é sueco eu falei com ele no baile sábado… vou lá bater um papo”.  Sozinho quem sabe eu teria uma chance de… sei lá. Eu queria que talvez ele lembrasse de mim do Brasil de forma diferente (daquela que eu tava no baile).

Cheguei chegando e disparei um “oi, lembra de mim? Eu tava no baile sábado a gente dançou… mas talvez a música era muito alta e você não lembra meu nome… é Maria.”. E sentei. Enquanto eu pensava é agora que ele diz não e eu vou ficar mais vermelha que tomate e vou dizer… ouvi um “lembro de você, mas não do nome, eu conheci muitas pessoas sábado…” carregado de sotaque. E dai eu tava dividida entre a euforia (ele lembra de mim! ele lembra de mim!) e a vergonha (oh shit! ele lembra de sábado); mas eu sou meio cara de pau e continuei a tagarelice.

Por fim a gente engatou um papo muito bom. O jogo acabou e a conversa foi parar numa mesa de lanchonete, com suco de laranja e X tudo. Quando eu fui embora perto das 1h e meia da matina tava flutuando, e passei o dia seguinte alugando os ouvidos da Angela com toda aquela conversa fiada de paixonite aguda…

O destino tava a meu favor e tinha Arrancadão de Tratores aquele fim de semana. Encontramos, dançamos, conversamos, e… numa dessas conversas acabamos entrando naquela de: do que você tem saudade? Eu falei que tinha saudade de lugares que nunca tinha ido e coisas que nunca tinha experimentado, e ele perguntou se eu tinha saudade de beijar um sueco… fazer o que né? Matei a saudade todos os dias a partir daí, durante duas maravilhosas semanas.

Em 30 de novembro de 2009 ele saiu de ônibus para POA, e de lá embarcaria para casa. Eu não falei de namorar, eu não falei de sentimentos, e apesar de estar com o coração na mão quando ele foi embora, eu disse só tchau, fique bem e tenha uma boa viagem… manda abraços para o povo sueco. E não chorei.

Mas liguei dentro de dois dias, falando que tinha sido estranho ver ele ir embora, e que eu tinha acostumado com nós dois. Foi legal, gostoso, combinamos de tentar falar por e-mail e skype… depois eu vim conhecer a Suécia… afinal, eu ainda tinha saudade de beijar um sueco.

Toda história de amor é assim, fantástica para quem vive. Eu tinha um monte de expectativas e esperanças desde o primeiro dia em que conversei com o Joel no ginásio de esportes, mas eu vivi cada dia como se fosse aquele e só. Talvez eu tenha aprendido isso justamente porque a gente teria apenas duas semanas quando o encontrei, mas acredito  que a lição valeu e vale muito a pena. Deixe de lado mágoas e cobranças, deixe para lá as expectativas (furadas) e viva intensamente o que dá para viver em um dia. Sonhe sim, e construa um futuro, mas não esqueça do hoje. Isso contribui muito para a saúde de qualquer relação: desde que eu conheço o Joel, eu penso que eu tenho apenas esse dia para gostar dele. E faço meu melhor.

Acho que é assim que se namora um sueco, ou um brasileiro, ou simplesmente… alguém.