Diário Caipira – 11

Nove anos de Suécia. Que coisa…

Quando eu era mais “xôvem” ficava imaginando como seria a minha vida no futuro. O que é que eu faria com 25 anos, 30 anos e se eu tivesse filhos, se eu teria uma casa, um trabalho; essas coisas. Eu nunca tinha pensado em mudar de país e até achava besta demais gente que ficava se “maravilhando” com a vida fora do Brasil.

Nove anos… mas eu ainda tenho a sensacão de entrar numa bolha a cada vez que eu “entro” na Suécia. Não sei se tem a ver com a questão de que a gente realmente entra num mar de nuvens sempre que está sobrevoando Gotemburgo… mas eu chuto que tem mais a ver com o fato de que eu não consigo absorver, não consigo entender o que é que é diferente aqui. Eu sinto que é diferente.

Eu não sei como me portar, como responder as pessoas, como não responder, quando cumprimentar, quando não; quando é ok brincar, sobre o quê é ok brincar; o que é considerado privado, o que é formal… quando é que alguém está dividindo algo intimo com você e quando é que as pessoas querem ficar sozinhas.

Nove anos e eu ainda tô nesse limbo. Me digam aí, quando é que passa?

Villa, Volvo, Vuvve

Há um ditado sueco que diz que você se torna oficialmente adulto (vuxen) quando consegue ter os três v’s: morar numa villa, ter um Volvo e um cachorro (vuvve). Coincidentemente ou não, vuxen também começa com v.

Uma villa sueca não é o mesmo que uma vila no Brasil e sim uma casa. A bem da verdade eu não tenho certeza se a villa deve ser um tipo específico de casa, sei apenas que um bairro onde há casas e não prédios de apartamentos é conhecido como villa området; uma casa é en villa (não confundir com o verbo descansaratt vila); ou muitas casas, flera villor. Em todo o caso, eu moro numa villa området em uma pequena villa.

Morar em uma casa nos abriu uma série de oportunidades que eu não havia imaginado. Desde quarta-feira, por exemplo, estamos com o cachorro dos pais do Joel, a Zemta – essa cadela muito simpática que está comigo um tempão na foto do meu profile do blog . Eles foram viajar e não teriam ninguém que pudesse cuidar da vuvve, e nós aproveitamos o fato para dar uma treinada (ando azucrinando o Joel com a ideia de adotar um animal de estimação). É uma coisa maravilhosa! Um cachorro muda todo o astral de uma casa. Já fui dar belas caminhadas com a Zemta, apesar da chuva da quarta e quinta-feira o fato de termos que sair com ela já nos rendeu a descoberta de mais um lago próximo de casa, apenas quinze minutos de distância. Além do quê é imensamente efetivo ter um vuvve para combater o sedentarismo, e essa pessoa que vos escreve aqui tem chumbo na bunda e um imã em sofás, cadeiras e, acima de tudo, na cama.

Então essa semana algumas coisas engraçadas aconteceram… Nosso carro foi riscado (há algum tempo) e o Joel resolveu aproveitar a cobertura do seguro e reparar a obra de arte do sem noção que passou uma chave ou qualquer coisa em quase toda a lateral esquerda. Como o risco cobria as duas portas o reparo demoraria uma semana para ficar pronto mas, nada de pânico, pois a cobertura do  seguro nos dava a possibilidade de alugar um carro por um preço simbólico por dia. O Joel reservou a opção mais barata um veículo do mesmo porte mas quando foi retirar, surpresa! Nenhuma outra opção estava disponível a não ser um Volvo. Como o pessoal da locadora de veículos não tinha a disposição o carro que o Joel havia solicitado ficamos com o Volvo (claro que pagando pelo valor estipulado na reserva) – e eu fiquei muito feliz. Sei lá porque brasileiro é bobo assim com carro, mas o Volvo que nos “emprestaram” ainda cheira a novo…

Pegaram o lance? Somos um casal oficialmente adulto – na definição sueca. Ao menos por uns dias…

A villa e o Volvo!

A villa e o Volvo!

Zemta. Ela é tímida e não gosta de tirar fotografias... é só ter a máquina fotográfica na mão que ela se esconde...

Zemta. Ela é tímida e não gosta de tirar fotografias… é só ter a máquina fotográfica na mão que ela se esconde…

A "dona da villa" e o vuvve.

A “dona da villa” e o vuvve.

Numa pose melhor em outros carnavais...

Numa pose melhor em outros carnavais…